"SÍNDROME DE ROKITANSKY (MRKH)"

Espaço para divulgação, informação e apoio às portadoras de "SÍNDROME DE ROKITANSKY".
A participação de profissionais de saúde e familiares também é muito bem vinda.
Vamos juntos debater o tema, esclarecer dúvidas e aprender para tornar a descoberta e aceitação da Síndrome menos dolorosa.

9 de nov de 2010

Histórias – Vamos compartilhar?

História do blog
Há cerca de um ano, amigas conversando sobre suas dúvidas em relação a síndrome, sobre as histórias de desinformação de tantas portadoras, sobre a necessidade de ser compreendida no que tange esse assunto... Resolveram se juntar e fazer algo pra mudar essa realidade.
Criaram um cantinho onde podiam se encontrar ( virtualmente ) e compartilhar seus medos, dúvidas, lições de vida...Buscaram parceria de profissionais que generosamente abraçaram a causa . E assim cresceram juntas e tem crescido cada dia mais.
Mas esse espaço se limitou a portadoras.
Então veio a necessidade de ampliar o projeto. Precisávamos de um espaço que fosse aberto para toda a sociedade, pois a família, amigos, atuais e futuros companheiros também precisam de ajuda, também tem suas dúvidas... Querem nos ajudar, apoiar e não sabem como, e compreender nosso universo é um ponto de partida.
Profissionais de saúde podem nos ajudar mais a partir do momento que tenham acesso a nossas histórias.
Esperamos despertar o interesse em estudar a síndrome, descobrir seus mistérios e formas de amenizar o tratamento que tanto desgasta emocionalmente e também fisicamente.
Então aqui estamos! Com esperança que esse projeto tenha sucesso, respeito e a que a intenção seja compreendida.

Abraço a todos que por aqui passarem!
*
*
Podemos conhecer um pouquinho da sua história?

Poste sua história em comentários



115 comentários:

  1. Olá, meu nome é Márcia, vou contar um tiquinho da minha história.
    Aos 15 anos fui ao médico devido a ausência de menstruação, exames acusaram útero infantil. O médico disse que tinha tratamento mas era pra retornar quando tivesse mais velha pois muitas mudanças ainda podiam ocorrer no meu corpo.
    Aos 17 anos, passei por outra médica. Já na ultrassom o técnico me perguntou a razão do exame ser solicitado e na mesma hora me informou que eu não tinha útero e que não poderia ser mãe. (Nem preciso dizer o quanto fiquei desnorteada).
    Nada foi me falado de síndrome nem de canal.
    Eu namorava há um mês, não queria contar, mas chorava tanto que um dia não tive como fugir, pra minha surpresa ele reagiu bem, me apoiou, consolou e disse que um dia iríamos adotar um filho.
    Tempo se passou, comecei ter uma vida sexual e notava algumas dificuldades, imagina que era pelo fato de eu ser miudinha e não comentava com ninguém ( nem tinha pra quem perguntar).
    Depois de 2 anos de casada, aos 22 anos, fui a um ginecologista que ao me examinar foi logo falando do canal, que não acreditava ser possível eu ter relações sexuais normal e que eu precisava fazer exames pra saber se eu era realmente mulher.( tudo isso falado de forma mais rude e fria que nem vale tão a pena comentar aqui). Novamente entrei em desespero, e não tive coragem de fazer tais exames. Fugia do marido, sentia vergonha.
    Após 1 anos, criei novamente coragem e procurei outra médica que então me falou da síndrome e das diferenças que havia em meu corpo. Me falou do tratamento, mas a esterilidade me doía de tal maneira, que a questão sexual não tinha tanto peso pra mim. Eu estava casada há 3 anos e de forma progressiva o canal havia se desenvolvido e já não tinha tantas queixas, a não ser emocionais, tive depressão.
    Na época praticamente não havia informações na internet e isso gerava muitas dúvidas e angustias.
    Anos se passaram, diversas mudanças aconteceram. Fui pesquisando, conhecendo outras meninas.... Aos poucos foi compreendendo e me aceitando. Pude ver o quanto a informação produz força e capacidade de superação.
    Anos depois recebi um presente de Deus, um filho do coração , que trouxe toda realização que eu esperava como mãe.
    Hoje aos 35 anos, casada há quase 15 anos, com filho de 9 anos, já não sinto mais constrangimentos nem pesares por ter nascido assim.
    Hoje agradeço a Deus pelas coisas positivas que me proporcionou , pude tirar minhas lições disso tudo.
    E cada dia aprendo mais com cada história que conheço.
    Bjk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo8/23/2016

      Olá meninas me chamo Gizele eu sou casada faz 7 anos, tenho 32 anos eu tenho útero e ovários infantis ou atrofiados não mestruo naturalmente só se eu tomar cicloprimogina que não é anticoncepsonal, desde de criança era não crescia na altura e nem orgãos sexuais fui em varios médico e ficava admirados com a minha situação eu era muito humilhada pelos os médicos despreparados que não sabia o que eu tinha passava vários exames mas não descobria a minha doença até que Deus me botou no meu caminho o médico endocrinologista que passou exames TSH E T4 T3 E DESCOBRIU QUE EU TINHA HIPOTIRODISMO E QUANDO EU COMECEI A TOMAR O REMÉDIO PARA TIREOIDE EU COMECEI A CRESCER ISSO COM 18 ANOS E PASSOU UMA ULTRA PELVICA E DESCOBRIU QUE MEUS OVÁRIOS E ÚTERO ERA INFANTIL POR ISSO EU NÃO MESTRUAVA. EU SOFRI NA MINHA INFÂNCIA PORQUE EU ERA DIFERENTE DAS MINHA AMIGAS E AGORA NA VIDA ADULTA PORQUE TODAS AS MINHA AMIGAS E CONHECIDAS JÁ TIVERAM FILHOS OU ESTÃOS GRÁVIDAS EU NÃO SEI SE EU TENHO ESSA SIDROME, MAS MEUS SEIOS SÃO PEQUENOS E TENHO POUCO PÊLO NAS PARTES INTIMAS , NO EXAME HORMONAIS DAR O VALOR MUITO ALTO COMO SE EU ESTIVESE NA MENOPAUSA ISSO PORQUE EU NÃO PRODUZO OS HÔRMONIOS PORQUE OS OVÁRIOS SÃO INFANTIS . qualquer coisa voces manda o facebook para agente se comunicar gizele costa.

      Excluir
  2. Anônimo11/18/2010

    Nossa, que história liiinda! EStou ainda na metade do caminho... sei q tudo vai dar certo! É impressionante a semelhança de nossas histórias! Deus está conosco... não é por acaso, tudo tem um propósito!
    Gostaria de dar uma sugestão:
    - Debatermos sobre como foi contar para a família... namoro a quase uma década e vou me casar com o homem q esteve do meu lado desde o início da minha descoberta. Nunca tive coragem de contar a NINGUÉM da minha família (além dos meus pais, irmãs e namorado). A família dele não sabe. Nunca tive coragem de contar para amigas. Sei lá... NÃO CONSIGO!
    Contem um pouquinho de como foi isso para vcs!!!

    Sorte a todas nós!
    Se Deus é por nós, quem será contra nós?

    Bjão!

    ResponderExcluir
  3. Oi querida,gostei bastante da sua sugestão! Vou conversar com as meninas, colher experiências... e logo abrirei um post pra falar desse assunto tão delicado.
    ... Concordo contigo,Deus tem um propósito!(mesmo que a gente não compreenda)
    Acredito que o maior deles é descobrir que somos mais fortes do que pensamos!

    BJK

    ResponderExcluir
  4. Parabéns pelo blog! Sua iniciativa poderá ajudar muitas meninas que, diferentemente de nós, não teriam condições sequer de imaginar o diagnóstico correto.
    Descobri ter a síndrome aos 15 anos. Por causa da ausência de menstruação, somada ao fato de que minha irmã mais nova já havia menstruado, fui a duas médicas, que simplesmente não souberam o que eu tinha. Disseram apenas que eu poderia ter um hímen complascente (rs).
    Depois de fazer uma ressonância magnética traumática - os médicos entravam e saíam da sala de exame para me olhar como se eu fosse o ET Bilu e cochichar que nao estavam achando meu útero -, fui a dois médicos, em São Paulo, que finalmente me deram o diagnóstico, da forma mais profissional e humana possível. Ofereceram tratamentos diferentes entre si (para a parte do problema que pode ser resolvida, claro). Optamos por uma cirurgia nova à época que não utiliza moldes fixos ou peles retiradas de outros lugares do corpo. Por meio de uma videolaparoscopia, é colocado um aparelho que expande o canal vaginal (que no meu caso tinha 1 cm) durante mais ou menos dois meses. Depois de um tempo, são utilizados moldes de acordo com o tamanho adquirido, até a retirada do aparelho. Após, a utilização do molde é retirada aos poucos.
    Hoje tenho 28 anos e uma vida sexual e afetiva normal. Agora eu e meu companheiro estamos passando pela definição de adotarmos um bebê ou aceitarmos a oferta (muito bonita) da minha mãe de gerar o nosso filho.
    Ao longo de todo o processo, sempre contei com o apoio incondicional dos meus pais e do médico. Isso é fundamental, ainda mais que, como já dito em outros posts, geralmente se descobre a síndrome na adolescência, você começa a achar que não é uma mulher de verdade, questiona o que fez de tão ruim para merecer isso etc.
    Esses questionamentos passam, e você entende que, como tudo na vida, para isso deve ter um propósito. Não há um dia na vida que eu não lembre disso, logo de pois vem uma sensação desagradável. Nesse momento, me lembro do quanto sou forte por ter sobrevivido bem a essa descoberta, do quanto sou grata por ter passado por isso e aprendido tanto, em todos os sentidos.
    E, diferente do que eu achava quando descobri - e por longos anos depois disso-, encontrei um companheiro que me ama exatamente como eu sou. Mas isso tambám aconteceu somente depois que eu mesma me aceitei.
    Bom, falei demais, mas procurei trazer detalhes que possam ajudar a quem precisa.
    Parabéns novamente!

    ResponderExcluir
  5. Má querida, agradeço o elogio e retribuo: parabéns por sua superação e por entender nosso propósito confiando e registrando aqui um pouco de sua história.
    Fico feliz em saber quantos homens bacanas existem por ai! A grande maioria de moças que conheço são casadas, noivas... E contam com o apoio e compreensão de seus companheiros.
    Você entra para essa estatística!
    ...Seja qual caminho escolher, tenho certeza que se realizará como mãe.
    Já ouvi relatos das duas experiências, e todas as histórias são felizes.
    Tudo que é feito com coração aberto o resultado é sucesso!

    Apareça sempre pra falar o quanto quiser!!!

    BJK

    OBS: Será que já nos conhecemos? Acho que não.
    Se possível, entre em contato por e-mail pra que eu te apresente nosso outro projeto.

    ResponderExcluir
  6. Anônimo11/24/2010

    Olá Meninas!
    Estou surpresa como somos tantas... e é uma sensação tão boa saber que não estamos só! É incrível como nossas histórias são muuuuito parecidas!
    No meu caso eu só descobri com 17 pra 18 anos. Realmente a maioria dos médicos ginecologistas se enrolam para descobrir a síndrome. Demorou até eu saber o que realmente tinha... Com 14 anos fui ao gineco pela demora da menstruação... ele pediu uma ultrassonografia e me disse que eu tinha útero infantil, detalhe, ele enxergou meu pequeno útero no exame... afff.
    Depois mudamos de gineco... já essa me receitou anticoncepcional para a menstruação vir... tive uma alergia horrível com o medicamento e nada!
    Mudei novamente de médico e essa, muito competente, só de apertar meu abdomem já suspeitou do que se tratava e pediu ultrassom e ressonância magnética, que não deixa dúvidas.
    O dia que recebi a notícia ficou marcado... diagnóstico que nasci sem útero e sem o ovário direito... o chão se abriu, não lembro do caminho que fiz até chegar em casa... não tive o apoio que esperava da minha mãe, minha irmã mais nova me acolheu, meu pai ficou triste... e para meu namorado contei somente mais tarde, pq não tinha como esconder minha decepção. Foram dias difíceis até que aprendemos a viver com isso.
    Essa minha médica pediu outros exames para saber se estava tudo bem com meus rins... tudo ok! Logo veio o problema da relação sexual... a minha primeira vez sangrou muito, mas não tive tanta dor... acho que foi normal para uma primeira vez! O médico indicou a princípio a tal cirurgia, fiquei com medo... pela cirurgia em si, pelo pós-operatório que é difícil, etc... depois de mta conversa com o médico ele me recomendou a ter relações regularmente que o canal vaginal iria se adaptando e aumentando... foi o que aconteceu.
    Hj em dia tenho relações absolutamente normais e prazerosas. Tenho um companheiro muito parceiro, que me ajudou e me ajuda demais! O problema de eu não poder engravidar nunca foi um impecilho para nossa relação. Sou muito grata a Deus por ter me dado esse amor de presente. Tudo tem um por quê, tudo tem um propósito... e eu tenho ctz meninas que fomos as escolhidas para uma grande e linda missão!
    Deus já me provou seu amor de tantas maneiras... já me salvou de uma outra doença rara em que fiquei completamente paralisada, fiz traqueostomia para poder respirar, 23 dias de UTI, fisioterapias etc... e hj estou aqui saudável e feliz em busca dos meus sonhos!
    Força meninas! Deus está sempre conosco, nos guiando, nos protegendo... basta que a gente o procure e confie tudo à Ele... jamais nos abandona.
    Fui eu que escrevi lá em cima dando a sugestão de falarmos sobre como é ou foi pra vc contar para os familiares de fora da sua casa e amigos o fato de não poder engravidar!
    Deus abençõe todas vcs meninas guerreiras!
    Podíamos marcar um grande encontro com todas, não é?

    Bj
    Ana

    ResponderExcluir
  7. Oi Ana,que linda sua história! Com certeza Deus continuará realizando grandes milagres em sua vida!
    ...Realmente somos muiiitas!!! Acredito que o que faltava pra descobrir isso, era ter um espaço pra gente se encontrar.
    Em apenas 1 anos eu conheci mais de 150 moças de todas as partes do Brasil, e toda semana conheço mais uma, Tenho fé que um dia esse encontro nacional acontece, mas enquanto isso as que moram perto dão um jeitinho de se encontrar sim.
    Temos um cantinho onde a gente se reúne virtualmente e estamos trabalhando o tema que você sugeriu.Logo,logo o tema também estará no blog.
    BJK

    ResponderExcluir
  8. Bem, vou deixar aqui um pouco da minha historia...
    Aos 13 anos fui ao medico para saber o motivo da ausencia de menstruacão em tão o médico solicitou uma ultra, fiz o exame e nele constatou-se que eu teria ultero e ovários infantis e por tanto a infertilidade também surgiu, porém pela idade não aconselhado outros exames pois devido as alterações que ainda poderiam ocorrer...
    Os anos foram se passando e comecei a ter vida sexual e junto com isso os desconfortos relacionados a sindrome, então em 2007 quando já estava com meus 20 anos resolver ir atrás de médicos para saber as causas de tais alterações,depois de muitos exames e idas a varios medicos descobrir a aminorreia primaria(ausência de menstruação), agenesia vaginal(ausencia parcial de vagina) e de quebra uma fistula reto vaginal congeita alem é claro da confirmação da infertilidade, acreditem meu mundo simplsmente caiu, fiquei desconsolada e o pior que o "sofimento" era em silencio pois não tinha coragem de contar a ninguém já que não sabia ao certo do que se tratava, mais ua vez desistir de procurar os médicos já que neunhum deles até então não havia chegado a um diagnostico preciso e exato.
    Este ano(2010) aos 23 anos, mais precisamente em fevereiro resolvi procurar um outro médico afim de ter uma solução para a questão foi então que soube finalmente diagnosticada com Sd. de Rokitansky sinceramente já não foi mais um choque pra mim pois eu já sabia das alteraçôes corporais os quais as a sindrome haviam me causado, então resolvemos pertir para a solução cirurgica em março fiz a 1ª cirurgia para a correção da fistula, porém 6 meses depois a fistula voltou a surgir então agora em outubro fiz a 2ª cirurgia na tentativa de solucionar a questão e deu certo, agora quase 2 meses depois da 2ª cirurgia estou com a neovaginoplastia marcada para esse mês de dezembro mais precisamente dia 08/12 estou super anciosa e feliz pois acredito que tudo ocorrerá bem, além de que acredito e confio muito no trabalho e na competência do meu médico,ao qual só tenho a agradecer...
    Quando a questão FILHOS estão nos planos e a melçhor saida encontrada será a adoção!!!
    Bjs e boa sorte a tds!!

    ResponderExcluir
  9. Wanessa3/09/2011

    Olá. Que bom encontrar outras mulheres como eu. Tenho 33 anos e pela primeira vez, compartilho minha condição de portadora de MRKH. Assim como vcs a descoberta do problema foi na adolescência, fiz a neovaginoplastia. Já sofri muito, mas graças à Deus, hoje posso dizer que convivo com esta condição de forma amigável. Estou casada há 8 meses e o que tem sido mais difícil pra mim hoje é a convivência com meu esposo, mas bem que me diziam que casamento não é um mar de rosas... rsrs.
    Um comentário me chamou a atenção. A pessoa sugere um debate sobre como contar pra família sobre o problema.
    Minha opinião é que não se deve contar para pessoas além de pai, mãe, imãos e talvez namorado/marido, pois são estas pessoas que estarão do seu lado nas adversidades. Fazer-se entender para outras pessoas em algo tão complexo,inclusive pra nós mesmas, pode ser muito doloroso. A aceitação tem que partir primeiramente de nós e como sabemos, isto não é tão fácil.
    Já mantive contato com a Márcia e gostaria de conversar com outras amigas.
    Abraço à todas.

    ResponderExcluir
  10. Anônimo3/13/2011

    Ola ! adorei os depoimentos, eh otimo saber que nao sou unica , (que foi o primeiro pensamento que tive quando descobri a sindrome) ..
    Aos 14 anos fui no medico pela ausencia de menstruacao.. nada foi descoberto e ele me pediu pra esperar ate os 16 pq ainda seria normal..
    visitei outros medicos e sempre tive a mesma resposta.. um me disse ate que eu teria utero infantil ! Nada me representou aquilo pois ele disse que nao mudaria em absolutamente NADA !(..)
    Ate que no ano passado fui em uma medica que me pediu varios exames, entre ele a ressonancia, quando foi confirmado uma hipotese dela..
    Pra mim foi o fim do mundo, nao imaginava que poderia nascer sem utero ! pensa?!
    Achei tudo um absurdo e por meses nao quis saber nada daquilo..
    Ainda estou sem saber direito.. estou com 16 anos e preciso fazer um exame p medir o tamanho do canal ! mas tenho medo deste exame.. que seja doloroso ou algo assim.. e apartir dele saberei se irei precisar de cirurgia e etc..
    beijos/

    ResponderExcluir
  11. Wanessa que bom te conhecer. Pois é , estou devendo post sobre o tema "quando e pra quem contar" O debate já foi feito em off , falta elaborar o texto das opiniões colhidas.Prometo que essa semana sai.
    BJK

    ResponderExcluir
  12. Oi querida amiga anônima, que bom que gostou dos depoimentos. São histórias que apesar de dolorosas transmitem esperança.
    A principio a descoberta é um choque, principalmente pelo fato que você citou, a síndrome ainda é desconhecida, poucos sabem que pode ocorrer tais alterações.
    Mas saiba que tudo começa clarear a medida de que se tem informação.
    ...O exame para medir o canal geralmente é feito com a introdução de um cotonete e não costuma ser doloroso.
    Fazemos votos de que não seja necessária a cirurgia e independente do resultado , saiba que pode contar com a gente.
    bjk

    ResponderExcluir
  13. Wanessa3/15/2011

    Amiga Anônima, espero que vc se encontre e encontre sua felicidade e realizações em meio ao turbilhão de dúvidas e sentimentos que vc deve ter.
    Mas creia, que tudo se resolverá da melhor forma possível... e busque o seu melhor, o seu bem-estar.
    Sei pode não ser fácil, mas enfrente tudo de cabeça erguida.
    Conte conosco e boa sorte.

    ResponderExcluir
  14. :) Wanessa parabéns por suas belas palavras!

    ResponderExcluir
  15. Anônimo3/25/2011

    Bom assim como a maioria das mulheres descobri aos 14 anos, foi muito dificil porem até hje tenho a espernça de poder engravidar, agra com 20 anos fui submetida a neovagina pensando que poderia engravidar ainda estou em recuperação hoje tem 9 dias de cirurgia, passei em consulta e ele confirmou que não posso é muito dificil meu namorado tambem sempre me ajudou muito mais estou com muito medo pois ele sempre quis ser pai, pediu para que eu não ficasse triste mais estã muito dificil, todos sabem tanto da minha familia quanto a dele tenho um pouco de vergonha de fala do meu problema mais quero um conselho como enfrentar essa situação.

    ResponderExcluir
  16. Florzinha anônima
    Infelizmente como já foi dito, pela ciência ainda não há possibilidade de engravidar.
    A medicina está estudando o transplante de útero, mas ainda há muito para ser acertado.
    ...Não há porque se envergonhar, nem você nem ninguém tem culpa. Isso não é defeito, é uma limitação.
    ...Que bom que tanto sua família como a dele sabem da situação, assim não terá segredos nem cobranças.
    Seu namorado te apóia e está ao seu lado porque te ama e porque encontrou em você valores muito maiores. Como dizem popularmente, filhos não seguram casamento. Uma relação é sustentada por afinidade, cumplicidade, compreensão... E pelo que você disse, vc tem isso em seu companheiro.
    Se desejarem constituir família,podem!!! Apenas terão que percorrer caminhos diferentes do convencional.
    Espero ter ajudado um pouquinho.
    bjk
    Querendo conversar mais é só entrar em contato.

    ResponderExcluir
  17. Anônimo3/31/2011

    Obrigada pelas palavras, agora com o tempo passando estou começando a me sentir melhor realmente se ele esá d meu lado é porque encontrou valores maiores, esa questão do transplante de utero eu nunca tinha ouvido falar pesquisei na hora que eu vi a sua resposta e comentei com ele na hora pensei que foçe a barriga de aluguel, e num é mais ainda é muito falho essa qustao do transplante né !
    Mais ele falou pra não ficar criano esperança e cima disso pq depois fico mals mais é sempre muito bom saber que a medicina está tentando...E existem pessoas como vc pra ajudar as outras muito obrigada mesmo de coração as palavras que vc me disse... Uma duvida vc é medica ou tem o problema e se aprofundou nas pesquisas ?
    A proposito o nome é Jessica..

    ResponderExcluir
  18. Jéssica
    Concordo com seu namorado. Não crie expectativas em relação ao transplante. Não porque seja incerto, mas porque às vezes nos angustiamos tanto com futuro que deixamos de viver o presente. Deixe cada coisa acontecer no seu devido tempo.
    Vocês ainda namoram. Então curta o namorado, passeie, viaje, saia pra dançar...
    Tem muita coisa pra viver. Como diz a música: “Vamos nos permitir!”

    ... Não, eu não sou médica. Sou portadora da síndrome assim como você. Passei a pesquisar para saber mais a respeito de como sou. Conheci inúmeras meninas e fui aprendendo com cada história e cada caso (que apesar de semelhantes, clinicamente são diferentes)
    Além disso sou curiosa e vasculho a internet. rsrsr

    bjk

    ResponderExcluir
  19. Anônimo3/31/2011

    Muito Obrigada novamente pelas palavras, fico 'feliz' em saber que você tem o problema e não tem vergonha de dizer,e ele meu futuro marido ao meu lado seguirei em paaz conseguirei seguir em frente pois deus sabe o qe faaz nao tem pessoa melhor pra saber do nosso futuro do que ele, pois ele não da uma farda maior do que possamos carregar. Obrigada
    Jessica '

    ResponderExcluir
  20. Thaysa4/06/2011

    Tenho 31 anos e descobri que tinha Sindrome de Rokitansky quando tinha 15 anos pois, como muitas, ainda não havia menstruado. Na época foi um choque, fiquei MUITO triste por uma semana, mas decidi que isso não seria um problema na minha vida!

    Minha má formação é no utero e no canal vaginal, entretanto não passei por nenhuma cirurgia. Quando iniciei minha vida sexual, foi muuuito doloroso, meu namorado na época teve muuuuuita paciencia, meu canal vaginal tinha 3cm e após um ano tendo relaçoes doloridas ele finalmente ficou no tamanho normal, nunca mais tive problemas. Meu ginecologista brinca que seu algum médico fizer um exame rápido (ou mal feito) em mim nem percebe meu problema. Para meu marido hoje (estou casada há 4 anos) contei desde o início e ele foi SUPER tranquilo com tudo, até porque eu mesma trato tudo com muita naturalidade, entao acho que passei isso para ele.

    Meus ovários são normais, as vezes tenho cólicas e TPM devido ao ciclo, só não menstruo pois não tenho endométrio. Com isso foi possível fazer uma Fertilização In Vitro, coletamos meus óvulos, o espermatozóide do meu marido e transferimos para o útero da minha mãe, que há 16 anos prometeu que faria isso para mim quando eu precisasse.

    Hoje ela está com 55 anos, tivemos sucesso na terceira tentativa de fertilização, foram transferidos 4 embriões e 1 deles vingou.
    "ESTAMOS GRÁVIDAS" de 8 meses, daqui a pouco dias nasce minha pequena, será uma menininha e estamos MUITO felizes!! Inclusive já estou tendo acompanhamento para amamentar!

    Gostaria de dizer para vocês NUNCA desistirem do sonho de ser mãe, nunca pensem que não é possível, o fato de não gerar não torna menos especial, ou menos "MÃE".
    E de forma alguma são menos mulheres que outras, temos apenas um detalhe que nos diferencia. Tudo depende de como enxergamos as coisas... tentem ver com outros olhos, olhos de possibilidades... dessa forma tudo pode ficar muito mais leve!"

    ResponderExcluir
  21. Anônimo6/29/2011

    :O nossa me impressionei com isso, gostaria de saber sobre o custo de uma Fertilização In Vitro, vc poderia passar mais ou menos quanto sairia ?

    agradeço desde jah;*
    beijo meninas

    ResponderExcluir
  22. Anônimo6/29/2011

    bem eu tenho 15 anos e descobri recentemente que tinha sindrome de rokitansky a noticia foi-me dada de maneira muito fria e rude... sofri e ainda hoje sofro muito por isso... a dor de nao poder ter filhos a formarem-se dentro de mim é algo que me transtorna bastante... a noticia deu me um sentimento de perda muito grande... mas recentemente descobri o 1º amor namoramos á 7 meses e eu senti me na obrigaçao de partilhar com ele essa noticia nao me contive desmanchei-me a chorar com medo que ele me deixasse porque nem toda a gente conhece essa doença e na minha idade somos gozados por tudo o que nao seja igual aos outros... fellizmente encontrei alguem que partilha a dor comigo e que me acalma que me ama e me apoia... tivemos relaçoes e ele ajudou me bastante e foi super compreensivo foi com calma devagarinho e agora sou capaz de ter relaçoes sem queixas... gostava de desejar força a quem descobriu á pouco tempo e quem já descobriu á muito e dizer que nos somos iguais estamos vivas e somos mulheres lindas... é perfeitamente natural o sentimento de perda e a dor mas é bom lembrarmo-nos que nao estamos sozinhas neste mundo
    bjs

    ResponderExcluir
  23. Anônimo7/25/2011

    Com toda a ceteza você está de parabéns a 4 meses eu fiz a cirurgia pois o meu canal da vagina estava fechando o medico chegou a me dar esperança de poder engravidar sem sucesso mais agora uma nova esperança surge pois ja estamos entrado no assunto da santa 'barriga de aluguel' o bebe vai ser meu mais va ser gerado em alguem tanto da minha quanto da familia dele e isso é muito boom fico muito feliz e a esperança volta a reinar é uma anciedade pra o que os medicos vão fazer que só que passa sabe é muito boom, o melhor é estar ao ado de uma pessoa que te entenda e apoie seja qual for a situação.
    Jessica / 21 anos

    ResponderExcluir
  24. Anônimo11/01/2011

    ola meninas estava procurando algo sobre ultero infantil quando encontrei voces tenho 33 sou casada ha 11 e desobri que tinha ultero infantil quando ja era casada a tres anos meu marido me apoiou e apoia ate hoje somos evangelicos e sabemos que tudo e no tenpo de deus pois se nos somos assim e por que foi pra ser assim pois algo bem melhor deus vai nos dar no tepo dele xerus pra todas

    ResponderExcluir
  25. Ola meninas,

    Antes de mais parabens pelo blog!

    Sou portuguesa e tambem tenho sindrome de rokitansky. Que bom ter descoberto este blog! Assim mesmo nao vos conhecendo posso partilhar com voces a minha historia e talvez alguma de vocês me possa ajudar..
    Descobri que tinha este sindrome aos 17 anos quando comecei a fazer uma data de exames para perceber a razao pela qual ainda nao era menstruada. Na altura tive o apoio incondicional dos meus pais e do meu namorado, o que foi fundamental pois o conhecimento de que nao poderia ter filhos (infelizmente em
    Portugal as barrigas de aluguer nao estao legalizadas) pôs em causa todo um sonho de infancia e foi muito penoso. Fiz uma reconstruçao da vagina, com excerto de intestino, com 18 anos. Foi uma cirurgia bastante dolorosa e que me marcou bastante mas passado 2 meses ja estava apta para dar inicio à minha vida sexual. Inicialmente tudo corria bem. No entanto, passado cerca dum ano comecei a ter dores horriveis e a deitar imenso sangue sempre que ia para a cama com o meu namorado. Depois de ser observada por medicos que diziam q nao tinha nada fui a uma ginecologista que me disse que tinha as paredes da vagina com feridas e que sempre que tinha relacões as crostas das feridas eram arrancadas daí a dor e o sangue. Fiz varios tratamentos por ela indicados mas isto nunca passou a 100%. Passado 5 anos continuo a deitar sangue e a ter dores a maior parte das vezes que tenho relaçoes sexuais. Para além de que de vez em quando tenho umas excreçoes bastante estranhas. Alguem que tenha feito uma vaginoplastia tem ou teve algum problema identico?

    Outra coisa que gostaria de compartilhar com vocês foi a minha má experiencia em ter confiado o meu problema a quem nao devia. Na altura que em que fiz a reconstrucao vaginal "inventei", a conselho da minha mae, um outro problema para justificar a minha estadia no hospital e nao ter que falar sobre algo tão intimo. No entanto, contei às minhas amigas mais próximas muito por alto o que realmente se passava (eu com elas tinha uma grande intimidade, e seria impossivel esconder-lhes que não era menstruada, que não tomava a pilula, ..). Há pouco tempo chegou-me aos ouvidos que pessoas que nem me conhecem assim tão bem falavam que eu tinha nascido homem (a imaginacao/maldade das pessoas chegou a este ponto!), que nao podia ter filhos, entre outras coisas ruins. Isto deixou-me muito abalada porque para além de nao ter mais o namorado de 6 anos que me acompanhou durante todo este processo, e que "justificou" nao saber lidar com o meu problema como uma das razoes do termino da nossa relaçao, Portugal é um pais pequeno e mesmo numa cidade como lisboa (de onde sou), meio mundo se conhece, e neste momento tenho receio em envolver-me com alguem, com medo daquilo que possam falar a essa pessoa a meu respeito, com medo que ela nao aceite bem tudo isto.. Acho que cabe a cada uma contar ou nao contar a quem quiser mas por experiência propria e para reservar a nossa intimidade aconselho a contar ao minimo de pessoas possivel.


    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo4/23/2015

      em relação a confiar o segredo a outras pessoas, eu tinha um ex-namorado, que contei a ele e só aos meus parentes mais proximos, nem minhas amigas sabem. Minha doutora disse que eu nao deveria contar pro namorado tão cedo. Eu me arrependo de ter contado ao meu ex, mas nao é algo que eu possa mudar sabe? E quando se vive uma relação séria com alguem é necessário honestidade, se a pessoa não consegue lidar, é porque não tinha amor o suficiente, e se ela não for leal ao teu segredo não fique triste, pois você não tem nada que ter vergonha afinal você não escolheu essa condição e se ele não foi leal, quem o julgará é Deus. E a amigos não recomendo, a não ser depois de mais de 10 anos de amizade, assim algo duradouro.

      Excluir
    2. Muito boa noite. Sou portuguesa Pina e gostaria muito de poder falar consigo e quem sabe um dia nos encontrar. O meu problema é igualzinho ao seu é tenho 30 anos e ando nisto desde os 19 precisava tanto de falar consigo e saber onde foi seguida entre outras coisas se poder falar comigo o meu mail é: carina_singh@hotmail.com
      Estou em desespero não sei mais o que fazer. Obrigaa

      Excluir
    3. Anônimo8/22/2016

      ola querida. eu também sou de portugal e tambem tenho esta doença . gostava muito de falar contigo . bjs

      Excluir
  26. Anônimo6/17/2012

    Olá!primeiramente gostaria de parabenizar pela exelente iniciativa de criar este blog!
    Vou contar a minha história que é mto parecida com as das colegas postadas por aqui!tenho 28 anos de idade!
    Então...quando eu era adolescente todas as minhas colegas menstruavam e eu não!mas de qualquer forma minha mãe achava que iria demorar pois com ela demorou!mas nada...desde ai, já comecei me achando diferente!
    então com 18 anos quando estava namorando iniciei minha vida sexual, e percebi que havia algo de errado...desta forma consultei com uma médica que me encaminhou para um professor dela que tinha mais experiência. Foi então,que descobri que não tinha o canal da vagina e em um dos exames foi constatado que havia sangue em meu útero. Então desta forma, com 18 anos fiz a cirurgia da neovagina com molde, e uma laparotomia para eles constatarem o tal sangue no útero. Porém, não encontraram este útero,apenas um útero em fita, ou seja um pedaço de útero mto pequeno, que eles nem consideravam. A cirurgia foi um sucesso, fiquei 14 dias internada e 8 dias com o molde, sofri mto, senti mtas dores...foi terrível!
    na época meu namorado estava do meu lado, e me apoiou em tudo!mas como ele era novo como eu, acho que tb não entendia mto bem o que acontecia comigo!Depois da cirurgia o médico conversou comigo e disse que eu não teria filhos da minha barriga, mas que meus'ovários eram normais e trompas e que um dia, eu poderia ser mãe por útero de subistituição, cohecido como barriga de aluguel.
    Me senti mto mal, triste...chorei mtoo... não entendia o porque de ser assim...diferente. Foram momentos muito dificeis para mim!
    Sempre achei que era única, me sentia um et!é dificil...não menstrua...não tem canal da vagina...não tem útero!me achava estranha!
    Cerca de 02 anos depois este tal namorado que estava comigo terminou o namoro dando uma desculpa esfarrapada por "e-mail", um namoro de 04 anos!eu não entendia o motivo...mas ele não sabia de tudo,apenas da cirurgia da neovagina, tinha medo de dizer que não tinha útero...e nunca contei!
    Mas minha história não para por ai.., conheci meu atual esposo algum tempo depois!(tinha pedido mto um namorado para Deus que me amasse e me aceitasse como eu era). Foi então, que Deus mandou meu marido!contei tudo para ele sobre o meu problema e sobre o fato de não gerar um filho, tudo isto logo no namoro,pois não poderia engana-lo. E falei depois que contei q ele poderia terminar comigo se quisesse. Mas para minha surpresa, ele reagiu mto bem e disse que me amava mto e que o fato de eu não gerar um filho não seria problema para ele!
    Então, noivamos, casamos...
    e quando vc casa e passa algum tempo...as pessoas que não sabem do seu problema começam a te cobrar um filho, pq faz parte do ciclo da vida...e vc fica triste pq isso não depende apenas de vc!
    Chorei mto...mtooo. mtooo!pq eu queria ser "normal"e me sentia triste cada vez q a sociedade me cobrava um filho!
    Minha mãe sempre disse que se um dia eu quissesse um filho, ela seria minha barriga de aluguel!mas eu tb fiquei com mta vontade de adotar! Então decidimos que fariamos as duas coisas!
    Então, eu e meu esposo fizemos cadastro e sabiamos que ia demorar pois falaram que esperariamos mto tempo, cerca de uns 5 anos...

    ResponderExcluir
  27. Anônimo6/17/2012

    continuação do post anterior!

    Nesta espera, um dia chorei mto e falei com Deus, mas eu chorei com a alma, meu coração doia mto pelo fato de não ter um filho e queria tanto uma criança para amar e cuidar...eu pedia "Deus olha pra mim"! eu quero um filho, não importa da onde ele vem, mas eu quero um filho". Cerca de 03 dias depois o telefone toca dizendo para irmos no fórum conhecer nossa filha!Ela é a razão da nossas vidas!amo demais a minha filha!é um amor que não se explica, eu morreria por ela!
    Mas não para por ai...então descobrimos o hospital que poderiamos fazer o tratamento para útero de subistituição. Porém ficamos sabendo que minha mãe não poderia fazer por ter 54 anos, e eles só fariam se ela tivesse 48 anos de idade...
    Mas de qualquer forma, estou tranquila pois já sou mamãe!e se esta dificuldade veio a existir para que eu pudesse adotar a minha filha linda, amém por isso!
    Eu agradeço a Deus por tudo!pelo esposo maravilhoso e pela minha filha linda do meu coração que amo demaissss...cada vez que olho para ela eu penso...ela é MINHA FILHA!
    mãe é aquela que cria e dá amor!
    Bjos

    ResponderExcluir
  28. Pine,fico feliz em saber que nosso blog tem alcançado tantas meninas de Portugal.
    ... Bom vc relatou alguns desconfortos após a cirurgia. Já ouvi diversos relatos da criação de pólipos que causam dor, sangramento e que precisam ser cauterizados, talvés esse seja o seu problema.
    Qto a secreção é bem comum essa queixa por parte de meninas que foram operadas pela técnica que utiliza sigmóide ( intestino).
    De qualquer forma querida é importante que vc faça acompanhamento médico, preventivo como toda mulher :) ... Infelizmente flor, no mundo encontramos pessoas não tão sensíveis. Talvés suas amigas nem fizeram por mal ao comentar com outra pessoa,e a falta de informação a respeito fez com que surgissem comentários errados.
    Flor,entendo que sua experiência foi ruím, mas não se afaste das pessoas, não se isole. Conte qdo sentir que é necessário, as pessoas vão compreender qdo vc explicar certinho o que é a sd. É através da informação que vamos dissipar preconceitos. BJk

    ResponderExcluir
  29. Querida anônima
    Sabe há mais de 3 anos que passei a me dedicar a encontrar outras moças com Rokitansky, desde então ouço cada história tão ricas de superação, que mesmo em meio a relatos de sofrimento me trazem alegria em ter nascido assim. A sd. tbm pode nos proporcionar inúmeras emoções,que não seriam exatamente iguais se tivéssemos um útero funcionante.Também sou mãe de coração e entendo perfeitamente a forma que seu coração pulsou mais forte ao conhecer sua filha. É inexplicável o amor que brota sem imposição da natureza. Amamos pq queremos amar, pq o filho do coração é o encontro com o que faltava em nós.
    Se vc tem o sonho de ter filhos genéticos ainda pode lutar por isso. Sua mãe não pôde ceder a barriga, mas vc não tem irmã, sogra, cunhada, prima ou talvez uma amiga que se prontifique? É possível conseguir autorização do CRM.
    E se essa hipótese for totalmente decartada, vc pode aumentar a família se inscrevendo novamente para adoção.
    Enquanto isso,vai curtindo sua filhota, beija, aperta, pega no colo... pq o tempo passa tão rápido, eles crescem num piscar de olhos. Morro de saudade do meu pequenininho. rsrsrs
    Ainda aperto e beijo mas pegar no colo é complicado rsrsr
    BJK

    ResponderExcluir
  30. Olá meninas!

    Primeiramente gostaria da parabeni pelo blog..

    Descobri ser portadora da sindrome quando tinha 15 anos, exatamente no dia 17/08/1998... Me lembro exatamente das palavras da minha médica... Entrei em panico quando ela me disse que não poderia engravidar, sempre fui louca por criança, vivia imaginando quantos filhos eu teria qual nome colocaria neles. Fui muito difícil aceitar, e sinceramente não me recordo mais como foram os primeiros meses, acho que acabei apagando isso da minha memória. Fiz a cirurgia íntima em 2004, foi bem difícil o pós operatório, vivia me perguntando porque isso aconteceu justo comigo. Nunca tive um bom dialogo com meus pais sobre o assunto, acho realmente que nunca falamos disso abertamente e sempre senti muita falta disso, pois nunca tive com quem conversar sempre foi algo que me deixava muito deprimida, pois achava que era de certa forma uma obrigação de minha mãe conversar comigo. Há 5 anos tenho um relacionamento sério e desde o início sempre quis contar para meu noivo, isso demorou quase dois anos para acontecer, foi muito difícil mas graças a Deus ele me apoiou muito desde o primeiro dia. Só contei isso para uma amiga pois e complicado falar de algo que magoa que até mesmo entender nao é facil... Gostaria de conseguir me abrir mais sobre o assunto. Se possível ficar mais proxima de vcs.
    bjus e boa semana

    ResponderExcluir
  31. Olá Bell
    É impressionante como alguns momentos ficam marcados em nós. Palavras ficam meio que ressoando na mente.
    Sabe-se lá porque coisas tristes possuem um poder maior de marcar.
    Mas o tempo passa e se encarrega de levar algumas coisas, deixar outras... O tempo modifica, trás respostas, oferece novas perguntas. E a gente se refaz, se recontrói.
    O tempo dá lugar a novos sonhos, encontra soluções, alegrias..
    Essa é a vida! Cada um com suas dores e ausências, mas todos sem excessão passam por algum momento que gostaria de esqcer ou modificar. A grande lição é não deixar amarguras nos bloquear. Aprender a se amar e amar a vida,ver que ela é bela apesar de nos apresentar obstáculos.
    Sei o qto é difícil conseguir se abrir com alguém, principalmente com companheiro. Dá um medo danado de não ser aceito. Mas penso eu que qdo falta compreensão é pq tbm falta amor.
    E que felicidade qdo descobrimos que existe amor e ele liberta de segredos, ampara e nos mostra caminhos.
    Teremos o maior prazer em te receber pra compartilhar nossas histórias e dar inicio a uma grande amizade.
    Entre em contato por e-mail.
    BJK
    Boa semana pra vc tbm!

    ResponderExcluir
  32. ola me chamo edilaine, sou de santa catarina.. tbm descobri que nao tinha utero aos 16 anos.. minha mae me levou ao medico para saber c havia lgum problema comigo.. fizeram varios exames e constatarm que havia nascido sem utero..foi uma tristeza para mim.. mas para minha mae axo que foi bem mais,, ela sempre me dizia q ela era a culpada por eu nao poder ter um filho!! fui me acostumando com isso por saber q jamais poderia ter um beber...o tempo foi passando conheci uma pessoa e logo disse p ele sobre meu problema.. axei q nao ia aceitar pois qm nao pensa em ter uma familia?? mas foi ao contrario me surpreendi com ele ,estavamos casados a 5 anos,, quando entramos em discussao que ele disse q queria se separar de mim.. eu perguntei o pq !!! ele me disse q era pq ele queria um filho e isso eu nunca poderia dar ...tbm ja fui chamada de utero seco!! nossa depois desse dia a vida p mim acabou..chorava dia e noite,,viver nao havia mais sentido!!!mas deus foi me consolando pq ele sabe de tudo o q faz ,, penso q c ele permitiu q nascemos assim é pq temos algo p fazer ,, pois tem tantas criancas esperando um carinho de mae :::

    ResponderExcluir
  33. Edilaine, filhos não salvam nem mantém casamentos, se fosse assim, não haveriam filhos de casais separados.
    Os desafios do dia a dia de casal dependem muito mais da complicidade, amizade, companheirismo... Filhos é alegria a mais.
    Se teu ex companheiro te amasse realmente não teria dito isso ( pra não te ferir), nem se separaria de vc por esta razão. Acho que foi um a grande desculpa esfarrapada!
    Infelizmente a gente ouve coisas que ferem, mas é preciso fechar os ouvidos para isso e seguir confiante da grande mulher que vc é e pode ser, independente das limitações do corpo.
    Podemos ser mães, amar incondicionalmente uma criança, educar, cuidar! E para isso não é necessário gerar.
    Como vc bem disse, tem muiiitas crianças esperando esse carinho!
    E estamos aki para oferecer!

    ResponderExcluir
  34. Olá queridas, sou portuguesa e açoriana. Tenho 22 anos, mas desde os 14 anos que ansiava o dia da chegada da menstruação, parapoder juntar a minha história à das outras minhas amigas mas nda. Aos 17, fui ao médico ele disse-me que provavelmente, visto em ecografia, não teria útero. Mas nada de confirmações, tudo só se confirmaria com o inicio das relaçõe sexuais e então depois daí a nova ida ao genecologista.
    A dois meses atr´s voltei ao médico, vários anos passadols e nada de mesntruação, eu sabia o resultado mas tinha sempre aquela esperança de ser um engano, algo que se cura-se com uma operação.
    Mas infelizmente não! O médico disse que tinha ausência de útero. Mas tinha vagina. E pouco mais me informou. Vivo numa ilha e é muito dificil informar-me sobre este assunto.
    Caras amigas, estou totalmente perdida porque tenho um namorado que gosto muito.Todavia, ele adora crianças e tem o sonho se ser pai. Eu também adoro crianças e sempre sonhei ser mãe, sonhava ter vários filhos, uma família daquelas bem grandes. Quero contar-lhe mas tenho medo de o perder!
    Vejo também que quase todas se submeteram a cirúgias, mas o médico não falou comigo em relação a isto, acham que não será mesmo necessário?
    Estive lendo notícias sobre o transplante de utero que me deixaram contente e desanimada ao mesmo tempo, pois se calhar será uma realidade para um futuro longinquo visto viver eem Portugal!
    Adorei o blog ! Foi como um porto de abrigo no meio de uma tempestade! São Mulheres com muito amor para dar, acredito que Deus não se esqueçerá de cada uma! Um beijo para todas e a partir de hoje serei uma fiel seguidora do blog.

    ResponderExcluir
  35. Olá querida, creio que todas nós esperávamos ansiosamente pela menstruação ( enquanto tantas meninas desejavam o contrário) Contradições da vida...
    Sei bem como é ter a esperança de que tenha solução e se deparar com a verdade.Compreendo seu sentimento.
    Flor,sei que é difícil contar para companheiros, mas é necessário. Cedo ou tarde teremos que dizer. O que posso falar é que se há amor, haverá compreensão. Não escolhemos esta condição,não temos culpas. Nem todos os homens são férteis e mulheres não Rokitansky tbm são impedidas de gerar por outras razões. Então chega a hora que temos de parar de se lamentar e buscar as possibilidades. Se amam crianças podem ter muiiiitos filhos. Podem adotar, podem fazer útero de substituição ( barriga de aluguel), ou quem sabe as 2 coisas. O sonho da mesa cheia continua existindo!
    ...Pelo que relatou, vc tem um canal vaginal que lhe permite ter relações satisfatórias. Então se não há queixas não há necessidade de cirurgia. Eu também não operei.
    Conheço muitas moças de Portugal! Fico feliz que nossas irmãs portuguesas estejam encontrando aconchêgo em nosso blog.
    ...O transplante é esperança para outras gerações, mas é um alento saber que outras moças terão essa oportunidade.
    ... Nossa vc mora em uma ilha! Deve ser incrível!!
    Certamente em lugar lindo assim é possível sentir ainda mais perto a presença de Deus.
    Grande bj

    ResponderExcluir
  36. Anônimo10/09/2012

    ola em primeiro lugar adorei muito esse blog foi muito bom,encontrei muitas respostas paras as minhas duvidas,bom sou cabo verdiana tenho 18 anos mas a minha estoria e um pouco aparecida com os dessas meninas.bem sempre tive vontade de me mestruar mas aos 14 anos eu comecei a me preocupar pois nao vi a mestruaçao,a minha irma ela ja tinha visto mas so que ela tinha 12 anos,entao perguntei a minha mae o porque desse problema mas ela disse que era normal que ela mestruou com 17 anos entao nao me queixei,mas aos 16 anos tive uma dor horrivel nos dois lados da minha barriga,ai fui ao medico e disse tb que nao tinha me mestruado ele me encaminhou para uma geneocologista que me receitou exames ,e ecografias feito isso ela me disse que tenho ausencia do utero que nao podia ter filhos.fiquei muito mal com isso,e nao tive relacoes sexuais ainda porque nao tenho canal vaginal,mas a minha doutora perguntou se ainda nao tentei mas disse que nao ainda sou virgem pois tenho muito medo de nao encontrar ainda apessoa certa e decepcionar comigo,mas ainda tenho a esperança de fazer a cirurgia para reconstruçao da minha vagina.mas so que em cabo verde nao fazem isso tem que ser nos outros paises mas o problema e que nao tenho meios para custear a cirurgia,a poucos eu achava que eu era sozinha com este problemas mas foi bom entrar nesse blog gostei muito e mennas muitas forças e coragem pra voces nunca desistem dos seus sonhos quem tem fe sempre alcança.foi muito bom mesmo. UM GRANDE ABRAÇOS A TODOS VOÇES

    ResponderExcluir
  37. Anônimo1/30/2013

    Olá!!
    Primeiramente gostaria de parabenizar a responsável pelo blog, é bom saber que há pessoas como você e já superaram essa batalha.
    Eu sou Bruna Nas, tenho 19 anos,
    Alguns anos atras, fui a ginecologista pois ainda não havia menstruado, foi feito uma ultrassom e foi detectado utero infatil e orvários "preguiçosos", o ultero apresentava pouco mais que 2cm, e os orvarios estavam no tamanho normal.
    Então o médico resolveu tentar estimular o crescimento do utero com anticoncepcional, tomei por dois meses, e fiz uma nova ultrassom e alegou que houve crescimento, foi pouco, mais houve.
    Daí, acabei deixando pra lá...
    Ano passado começei a namorar e "tentei" a minha primeira relação sexual, sem sucesso a primeira, a segunda, a terceira...
    Então procurei novamente outro ginecologista, fiz outros exames. E foi constatado sd Rokitansky.
    Resolvi passar em outro médico para ouvir uma segunda opnião, onde foi me passado o mesmo diagnostico.
    Esse segundo médico me encaminhou para uma fundação especialista nessa area para fazer o tratamento adequado.
    Minha primeira consulta sera dia 04.01.2013.
    Sei que é certo que terei que me submeter a uma operação para corriguir essa disfunção, só tenho duvidas, se poderei engravidar futuramente.
    O meu namorado desde o inicio tem me ajudado bastante e não quero um dia poder virar pra ele com toda a certeza do mundo e dizer que um dos maiores sonhos dele nao podera ser realizado comigo.
    Mas, enfim estou confiante que dará tudo certo.
    Conforme for, irei deixar aqui os relatos do andamento do processo...
    Beijos

    ResponderExcluir
  38. Olá Bruna Nas!
    Sua história a princípio é meio parecida com a minha. A diferença é que não precisei ser operada.
    Flor,vai ser necessário exames pra saber que vc possuí endométrio e se seu útero seria capaz de suportar uma gestação. Infelizmente não conheço nenhum caso em que isso tenha sido possível. Ou melhor, conheço apenas um caso em Portugal, tenho o artigo feito pelo médico que acompanhou essa moça, mas até onde sei esse caso ainda não foi reconhecido pela medicina. Bem mas vamos aguardar a sua consulta, pode ser que seu caso seja atípico. Mas lembre-se de uma coisa: a impossibilidade de gerar não é um problema exclusivo da Sd. de Rokitansky. Mulheres com seu úteros funcionantes tbm podem se ver iimpossibilitadas de engravidar. Homens tbm são acometidos de dificuldades... E atente para uma coisa: não podemos "gerar" ,mas podemos ser mães através da adoção ou ter filhos biológicos através da "barriga de aluguel". Mas como eu já disse, vamos aguardar sua consulta, um passo de cada vez! Ahh e onde seria essa Fundação especializada na Sd. ? Se puder me passe o nome do local para incluir em nosso cadastro de indicação. Aguardo suas notícias e se desejar mande e-mail para conversarmos melhor. Conte comigo. BJK

    ResponderExcluir

  39. Gostei bastante de ler a história de vcs!!!

    Sucesso a todas, gostaria de me manter sempre informada.

    Bjocas...

    ResponderExcluir
  40. Carolina, perdoe-me , sem querer exclui seu comentário e não estou conseguindo restaurá-lo poderia postar novamente? Caso precise tenho a cópia. Seria possível antes disso vc entrar em contato por e-mail? BJk

    ResponderExcluir
  41. Anônimo5/03/2013

    OLÁ MEU NOME È JANAINA TEODORO, QUANDO FIZ 13 ANOS FUI AO MÉDICO PARA SABER O PORQUE QUE NÃO TINHA MESTRUADO AINDA, QUANDO DESCOBRI A AUSENCIA DO UTERO, E OS RINS EM FORMATO FERRADURA. SOU MUITO DESENCANADA, ISSO NUNCA FOI UM PROBLEMA PRA MIM,CONHECI UMA PESSOA AOS MEUS 16 ANOS, CONTEI A ELE O PROBLEMA O QUE FOI ACEITO DE IMEDIATO, TIVEMOS UMA VIDA SEXUAL SAUDAVEL, MESMO SENTINDO MAIS PRAZER NO SEXO ORAL, NÃO TENHO MUITA LIBIDO PARA A PENETRAÇÃO, ISSO EU POSSO DIZER QUE ME INCOMODA UM POUCO. HOJE TENHO 32 ANOS CASADA, MÃE DE CORAÇÃO DE UM MENINO MARAVILHOS DE 4 ANOS.

    NUNCA ME INTERESSEI POR ESTE ASSUNTO ATÉ ONTEM DIA 02/05/2013 QUANDO FUI AO GINECOLOGISTA E ELE DEMOSTROU ESTAR SURPRESO.

    NÃO ESTOU SOZINHA NA FAMILIA COM ESTE PROBLEMA, MINHA IRMA DE 40 ANOS E MINHA SOBRINHA DE 15 TAMBÊM.

    (NÓS 3 SOMOS MULHERES PERFEITAS) A UNICA DIFERENÇA ENTRE NOS 3 É O DIFERENCIAL DE MINHA SOBRINHA, LINDA, ALTA, MAGRA, TOP MODEL (SEM DEFEITO ALGUM, O CORPO DESENHADO NOS MINIMOS DETALHES.

    CONTEI TUDO ISSO PARA MOSTRAR QUE TENHO UMA VIDA NORMAL, IGUAL AS MULHERES COM UTERO, O QUE NOS SEPARA É QUE NÃO MESTRUO E NÃO TENHO COLICAS NEM TPM.

    MEU E.MAIL É JANAINA_TDR@HOTMAIL.COM

    FIQUEM BEM E BOA SORTE





    ResponderExcluir
  42. Anônimo5/05/2013

    olá, meu nome é Luana, tenho 25 anos e estou noiva há aproximadamente um ano, gostaria de compartilhar um pouco minha tragetoria de vida.
    Bem, logo que eu nasci, fois identificado que nasci sem vagina, pois os grandes lábios eram totalmentes colados, entao os medicos orientarm meus pais a me deixarem crescer, para dai fazer a neovagina, a sindrome que eu tenho não é essa de Rokitansky,e sim sd de Morris, mas como não achei nenhum blog que falasse dessa sindrome resolvi me abrir com vcs, porem estou prestes a fazer a cirurgia, pois pretendo casar ano que vem, mas daí surgem algumas duvidas? quanto tempo antes de começar a fazer relaçao que devo fazer essa cirurgia? se ficar muito tempo apenas com o molde é incomodo? me ajudem quem souber fico muito agradecida. tambem nao tenho utero nem ovario, mas já superei isso e meu noivo me apoia muito. abraços!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo7/07/2013

      boa noite Luana meu nome e alessandra eu fiz a cirurgia de neovagina em 2001,tive que usar molde para moldar minha vagina pois so tinha 2cm ,fiquei isolada por quase 25 dias em um quarto de hospital não sofri muito; quanto ao molde tive que retirar tecido de uma parte de meu corpo a perna para se fazer o fundo da vagina ,a cirurgia que eu fiz já tem 12anos fui diagnosticada como sindrome de morris;tive uma adolescência e puberdade muito difícil procurei varias vezes respostas sem sucesso na minha adolescência meus pais não entendiam do assunto e eu era cercada por incertezas e conflitos e o pior um forte preconceito que me levaria a qualquer momento ao suicídio,mas hoje sei que passei por esses obstáculos porque sabia que deus nunca me deixou sozinha hoje estou mais forte ,fiquei mais madura popis a cirurgia me deixou muito feliz e realizada ,tenho uma filha do coração que tanto amo e sou casada com uma pessoa muito humana que gosta de mim abraços fique tranquila que tudo vai dar certo um forte abraço fique com deus..

      Excluir
    2. Olá Alessandra, que lindo, vc é mamãe do coração!!! Eu também !!! Que nossa experiência sirva de incentivo para outras mulheres. A realização materna nos é totalmente possível!
      ... A literatura antiga a respeito de Morris (SIAC) assustava e ocasionava o preconceito que vc mencionou. Hoje já conseguimos encontrar textos humanizados e sensíveis desmistificando o que se entendia sobre a patologia.
      Estou devendo um texto explicando no que ela se diferencia de Rokitansky, pois são muiiito parecidas, chegando a ser confundidas. Mas é necessário esclarecer as diferenças para que seja efetuado o tratamento correto.
      Temos muitas moças em nosso grupo. Hoje entendo que nada é tão raro, nem Rok, nem Morris. O que faltava era um canal que fizesse essas moças se encontrarem. Hoje temos esse espaço!!!
      Ninguém é negativamente única e ninguém está só! Todas nós somos mulheres como as demais do mundo : com ausências , diferenças e uma força inesgotável de superação e transformação.
      Seria possível que vcs entrassem em contato por e-mail? Seria ótimo que pudéssemos nos juntar pra dar força a quem está no começo da caminhada.
      Grande beijo no coração de vcs.

      Excluir
    3. Tbm tenho a Síndrome de Morris.... Vou dividir minha experiência....Não precisei fazer cirurgia. Meu clítoris é pequeno, logo não consigo ter prazer no toque. Na verdade, sinto uma aflição, uma vontade de fazer xixi kkkkkk. Se uso a ducha, sinto uma aflição maior, mas não consigo ir até o fim. Bom, acho que isso é indicio que existe sensibilidade ali. A pele ta minha vagina é rosa e eu sou morena (Camila Pitanga) hehehhe, logo existe tbm uma atrofia. Isso faz com que quando eu tenho relações sexuais, esfole a pele, surja fissuras e incomodo. Ai a pouca lubrificação existente, seca como uma passe de mágica e começo sentir desconforto. Me recuso usar lubrificantes. Em toda problemática da síndrome, essa é o problema que mais me incomoda. Como é com vcs? Mas o ato sexual mesmo eu gosto muito. É estranho, pq eu gosto, curto... Mas minha cabeça acha que o prazer que eu sinto é diferente do prazer que "pessoas normais" sentem. Daí eu nunca vou saber.

      Excluir
  43. Luana querida muito bom vc falar sobre Morris, em breve faremos um post a respeito, pois as 2 síndromes são muitíssimos parecidas.
    Realmente não há grupo de Morris ( que eu saiba) Então as meninas que a tem, se juntaram ao nosso grupo, vc está em casa!
    Flor a cirurgia do canal é a mesma.
    Geralmente as meninas são liberadas para relação após 6 meses da cirurgia ( tempo para uma recuperação total). Mas muitas são liberadas após 3 meses, vai do critério médico.
    O uso do molde é incômodo no inicio, afinal é como um corpo estranho. Será necessário aprender a se locomover com ele ( sentar andar, fazer xixi...) Mas logo vc se adapta. Muitas meninas relatam se sentir inseguras qdo não usam .
    Só é necessário saber que terá que ter compromisso com o molde até que seja possível ter relação com frequência. Isso para o canal não estenosar.
    Onde vc será operada?




    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo12/28/2013

      Olá é Luana novamente, demorei a responder pois estava correndo atras de minha cirurgia, consegui fazer aqui em Recife Pernambuco no Hospital IMIP, com uma equipe de medicos muito bons, estou agora no processo de recuperação, é realmente muito incomodo o uso do molde, fiz no ultimo dia 14/12/13, porem sei que esta muito recente, mas estou muito feliz e com a certeza de que foi mais uma etapa vencida. Obrigada pela atençao de vcs um grande abraço e feliz ano novo pra todas...

      Excluir
    2. Oi Luana vencedora!!
      Flor no começo é chatinho mesmo usar o molde, é como um corpo estranho.Mas logo vc se acostuma.
      Olha temos amigas em Pernambuco, será que vc gostaria de conhecê-las? Temos um grupo de apoio e acho que conhecer outras moças, tirar dúvidas, fazer amizades é uma boa pedida pra começar o ano bem ( hehe)
      Querida, feliz 2014 pra vc tbm : foco, força e fé!
      Que neste ano sai o casamento e que seja muito, mas muito mesmo feliz!!!
      BJK

      entre em contato por e-mail: s.rokitansky@hortmail.com

      Excluir
  44. Janaína muito bom seu relato. É ótimo ler comentários assim, pra cima e desencanado!!!
    Bom, ter maior prazer em sexo oral é absolutamente normal, é como pra maioria das mulheres. Isso porque a zona erógena feminina( ponto de excitação) se localiza no lado externo, no clitóris.
    ...A cada dia tenho lido relatos de ter portadoras na família de parentesco extendido. Algo que geneticistas precisavam estudar o porquê.
    Até então só conhecia casos de irmãs.
    ...Sua sobrinha ser alta, magra top model, tbm é absolutamente normal como vc disse!
    Há mulheres com útero baixinhas, gordinhas,altinhas, com algum tipo de deficiência...
    Somos uma variedade em qualquer condição.
    Resumindo: Somos como todas as mulheres. Cada qual com suas ausências.
    ahh, Tbm sou mamãe do coração !!! De um lindo menino de 12 anos que já está do meu tamanho.
    BJK
    Participe sempre!!

    ResponderExcluir
  45. Carolina5/24/2013

    Oi meu nome é Carolina, tenho 20 anos e descobri que tinha a síndrome aos 14 anos, em meio a um ultrassom dos rins, a doutora percebeu que eu não tinha útero, depois dos resultados passei por um Hebiatra(médico de adolescentes), e foi ai que eu descobri que não poderia ter filhos, no começo eu não entendia muito bem o que isso ia trazer de diferente na minha vida, mas incomodava demais a minha mãe, várias vezes peguei ela chorando, na minha família existem outros dois casos da síndrome, duas irmãs da minha avó também não tem útero, perdi minha virgindade aos 16 anos, e minhas relações sempre foram normais, sempre consegui atingir o orgasmo , e nunca senti nenhum tipo incomodo, sempre brincava dizendo com o meu primo que era com quem eu me abria pra contar minha coisas dizendo " Pelo menos não vou ter um filho antes de estar preparada pra isso ", fiz acompanhamentos médicos e tudo é normal, o meu canal, a minha cavidade vaginal, arrumei uns namoradinhos, nada sério, e esse assunto não me incomodava, até que comecei a ter um romance e esse romance começou a ficar sério, bom no começo, acho que pra vocês também foi assim não é importante contar, até porque você tem que confiar na pessoa, mas depois acabei contando, por sorte ele aceitou super bem e me disse que vamos adotar um bebê lindo, mas essa síndrome passou a me incomodar a partir do momento em que eu me imagino tendo um bebê, e depois me lembro da síndrome, achei nesse cantinho um espaço para conversar e ler historias de quem como eu sabe o que é não poder ter filhos, eu fico super grata pela criadora do site, a síndrome ainda me incomoda muito e me tira várias noites de sono, mas um dia uma amiga me disse " se deus marcou te marcou é para não nos perder de vista" Beijo meninas!

    ResponderExcluir
  46. Carolina penso que a impossibilidade de gerar seja a parte mais difícil de encarar. Ninguém gosta de ouvir um "não", não é mesmo?!
    Mas o que fazer? Se entregar a tristeza e deixar a amargura tomar conta?
    Devemos fazer exatamente o contrário! Devemos buscar as alternativas que nos são possíveis.
    Seja através da adoção ou do útero de substituição, a realização materna é alcançada. E elas tem seus encantos peculiares.
    Imagina vc amando e recebendo um amor totalmente incondicional. Vendo suas características sendo refletidas numa criança sem que tenha com ela laços genéticos. Isso é coisa de Deus!
    E agora imagine a sensação de ouvir de uma irmã ou mãe ou outra parente a proposta de gerar por vc. Tendo tamanha generosidade de se doar por seu sonho.
    Emoções que não sentiríamos se fosse diferente.
    Claro que em momentos sentiremos o pesar da impossibilidade de vivenciar algumas situações. Mas quando ouvimos a palavrinha "Mãe" faz tudo ter sentido de ser como é.
    Acho que sua frase final traduziu tudo. Deus não nos perde de vista, ele nos marcou pra nos presentear com o amor.
    BJK

    ResponderExcluir
  47. Anônimo6/01/2013

    eu tenho essa sindrome,como 13 anos minha mestruação apontou mas nao correu ai eu foi ao medico mas minguem sabia o que era depois que fiquei com 15 anos que tivi minha primeira relaçao nao tive dificuldade so achava a vagina curta como se tivesse uma parede com 18 eu fiz uma neovagina hoje eu tenho 31 anos e ainda tinha esperança de engravida mas sabendo que os medicos sempre disse que nao teria como porque quase que eu não tenho utero agora descobri que tenho mioma e vou ter que tira o utero graças a deus que o meu marido mim apoia muito porque nao saberia o que fazer se ele nao mim desse apoio.........so sei que é muito dificil você quere ter um filho e nao poder enquanto muitas tem e joga no lixo ou mata.bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo8/30/2013

      agora ja estou preste a fazer a cirugia pra tira o mioma so estou esperando o plano libera o medico disse que nunca vio um caso como o meu que com utero rudimenta ter mioma e ele ja esta quase do tamanho de uma laranja

      Excluir
    2. Flor eu ainda não conheci caso de útero rudimentar com mioma, mas já conheci com endometriose.
      Outro dia conversando com uma médica, me falou que há tanta variação de casos que nem se pode mais se estabelecer como algo como regra.
      Espero que dê tudo certo em sua cirurgia.
      BJK

      Excluir
    3. Anônimo11/12/2013

      oi linda já fiz a cirurgia já vai fazer um mês amanha graças a deus estou bem foi retirado o útero e dentro dele já estava crescendo um mioma e do lado de fora tinha um grande mas vou pega ainda a biopsia com o medico bjs.

      Excluir
    4. Oi querida graças a Deus vc está bem!! E vamos crer que o problema já foi sanado com a cirurgia.
      Qdo tiver resultado da biópsia me conte.
      BJK

      Excluir
  48. QUERIDA ANÔNIMA, É COMPLICADO ENTENDER OS PORQUÊS DA VIDA, MAS... AS COISAS SÃO COMO SÃO.
    ACHO QUE DEUS SABIA QUE TERIAM MULHERES SEM AMOR CAPAZES DE ABANDONAR SEUS PEQUENOS, QUE PRECISOU CRIAR MULHERES CHEIAS DE AMOR PARA ACOLHE-LOS.
    VC JÁ PENSOU EM SER MÃE DE CORAÇÃO?
    SE FOR POSSÍVEL ENTRE EM CONTATO COMIGO POR E-MAIL, GOSTARIA DE SABER MAIS SOBRE SEU CASO , SOBRE O MIOMA.
    BJK

    ResponderExcluir
  49. Anônimo6/18/2013

    Olá me chamo Daniele e tenho 30 anos. Descobri a síndrome aos 15 como a maioria, pois não menstruava.Moro no interior o RJ e fui encaminhada por uma médica que identificou a vagina reduzida após um exame. Tive todo meu acompanhamento no Hospital dos Servidores no RJ com o Dr. Hugo Miyahira tratamento gratuito, eu tinha 2 cm de canal vaginal e iniciei o tratamento com o molde quando fiz 19 anos decidi pela cirurgia. A cirurgia não foi fácil fiquei internada uns 15 dias, mas não me arrependo. Após a cirurgia me senti mais segura sexualmente, passei a sentir mais prazer.
    Agora aos 30 com dois anos de casada como uma pessoa que me apoia em todos os momentos quero realizar meu maior sonho, ser mãe.
    Estou participando do processo para habilitação para adoção, o qual tenho sentido muita dificuldade, pois o processo é lento e desgastante. Existe uma fila enorme , outra possibilidade que estamos buscando é inseminação in vitro , em uma barriga solidária minha tia disse que poderá gerar.
    Sei que não é fácil que existem dias melhores e piores, mas tbm sei que não posso desistir dos meus sonhos. Uma dica para as pessoas que estão vivendo o mesmo que eu, procurem ajuda psicológica, eu demorei bastante para procurar e agora que estou tendo um acompanhamento estou me sentindo muito melhor e acima de tudo tenham fé, pois tudo na vida tem um propósito. Bjs e felicidade para todas.

    ResponderExcluir
  50. Anônimo6/22/2013

    olá meu nome é Adriana tenho 24 anos aos 20 anos descobri que tenha síndrome de Rokitansky. chorei pois meu maior desejo é ser mãe tenho sofrido muito por me acho diferente de todas as mulheres sou casada há 3 ano e sinto que meu esposo tem muita vontade de ser pai. até hoje não aceito choro cada vez que penso que nunca vou pode ser mãe não tenho útero mar formação na vagina. hoje eu me vejo assim, pessoa no mundo que é totalmente diferente. gostaria muito de saber que tem pessoas que tem esse problemas e que aceita e leva a vida com nada tivesse acontecendo. e hoje não tenho coragem de adotar

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo7/04/2013

      Olá Adriana me chamo Márcia e penso exatamente como vc, meu marido adora criança eo sonho dele é ser pai sem saber isso é pior coisa que existe pra gente né, chega doer o coração e vem o questionamento pq a gente, sendo que tem tanta mulher que matam as crianças quando nascem ou jogam fora pq Deus não nos deu esse direito de ser mães, e também não estou preparada para adotar chego sonhar que estou gravida tudo que eu queria era poder ter um exame escrito positivo, me preparar para receber um bebe arrumar um quartinho um chá de fralda e não receber uma ligação para buscar uma criança eu sofro assim como vc e te entendo completamente. Mas em saber que não sou a única me faz sentir melhor. Um abraço querida.

      Excluir
    2. Flores,entendo perfeitamente as dores e sentimentos de vcs, pois são compartilhado por todas nós. É difícil mesmo compreender as contradições da vida, o porque uma têm e abandona e outras desejam e não podem. Assim como é complicado entender porque pessoas boas morrem e as más permanecem, porque crianças sofrem com doenças incuráveis enquanto perversos esbanjam saúde... Perguntas das quais nunca teremos respostas.
      Não podemos mudar nossa condição, então não adianta se torturar .
      Costumo dizer que é como aquela historinha : " se a vida te der um limão faça uma bela e deliciosa limonada!" Transformar a dor em alegria ( juro que é possível!)
      A vida nos privou de gerar, mas nem tudo está perdido! Podemos fazer chá de fralda, arrumar quartinho, comprar roupinhas... Substituir o papel positivo por uma ligação positiva ( passei por essa experiência e foi de extrema emoção, perdeu apenas para o dia que vi meu filho pela primeira vez e o peguei em meus braços. E pelo dia que vi meu nome em seu documento. como sendo de fato sua mãe.
      Maternidade adotiva também tem seus encantos! ( e como tem!)
      Convido vcs a refletirem como também deve questionar uma criança que foi abandonada. Que devem certamente sofrer e se perguntar: "porque as outras crianças têm pais , familiares, amor, carinho , casa, animalzinho de estimação e eu não".
      Não podemos mudar nosso corpo, mas podemos mudar a tristeza e ausência a qual ele nos condicionou.
      Pensem com carinho nas possibilidades ( seja adoção ou útero de substituição)
      Estou a disposição caso queiram conversar mais a respeito ou simplesmente conhecer alguém que compreende vcs , sentiu o mesmo e seguiu o caminho das possibilidades.
      Bj no coração de vcs.

      Excluir
    3. Anônimo11/12/2013

      oi Adriana não fique assim eu também sofri muito quando descobri graças a deus hoje também sou casada a 13 anos e meu marido também tem vontade de ter filho mas entende e o que o seu também faz porque ele te ama porque e muito difícil alguém acha um marido que se conforme e tente outro meio de ter um filho e muito triste mas aprendi que deus sabe o que faz nos somos Ana como da bíblia que não podia ter filho mas deus a deu leia Samuel 1 e tenha fé porque se não podemos ter da nossa própria barriga deus nos dará um de coração porque tem muitos que precisam da gente pense nisso bjs.

      Excluir
  51. Olá Adriana,sabe flor já me senti exatamente assim como vc se descreve. E entendo.
    Foram choros intermináveis. Momentos de sentir vergonha de mim , de minha condição. Me sentindo fora dos padrões como se eu fosse a única a ter essa impossibilidade.
    Como sempre digo e ressalto: SER MÃE e poder gerar são coisas distintas. Gerar é uma condição fisiológica. SER MÃE é amar, acolher, cuidar , ensinar, preparar, doar, receber...
    Sou mãe adotiva e te digo por experiência que para adotar não é preciso coragem, é preciso um coração disposto.
    Talvez necessite sim de uma certa dose de coragem para enfrentar burocracias de processo, mas um tratamento para engravidar também tem suas necessidades de estabilidade emocional , não é?!
    Existem muitas mulheres assim como eu e você que possuem a Síndrome, e que encontraram seus caminhos para a realização materna.
    Nunca se esqueça que há muitas mulheres ( e homens) que também não podem ter filhos biológicos por tantas outras razões.
    Quanto adoção é maravilhoso amar e receber amor sem nenhuma obrigação disso, é amor espontâneo, incondicional , uma identificação que surge sem as determinações impostas pelo sangue.
    Gostaria muito de conversar mais com vc, se desejar o mesmo entre em contato por e-mail.
    BJK

    ResponderExcluir
  52. Lindo depoimento Daniela, as adversidades existem e temos que enfrentá-las com fé de que momentos ruins passam. Como diz a musica " é preciso chuva para florir".
    Sei bem dos desgastes emocionais que envolvem processo de adoção. Realmente é complicado ter que provar capacidade e ter que esperar tanto sabendo das inúmeras crianças que esperam por família.
    Eu tenho um filho do coração, hoje com 12 anos. Foram 2 anos entre habilitação e chegada e mais 1 ano e meio para que fosse efetivada a adoção. No período de espera apareceram diversas crianças em nossa vida, cada tentativa frustrada era uma dor enorme, mas quando eu o vi meu filho pela primeira vez, entendi que tinha que ter esperado por ele, como poderia entrar em minha vida se não tinha nascido ainda?! Seu presente vai chegar na hora certa, creia nisso. E toda angustia da espera se transformará em história de amor para mostrar o quanto o desejou e esperou por ele.( ou ela, ou eles, ou elas...) BJk

    ResponderExcluir
  53. Anônimo7/14/2013

    OLÁ, ESTOU FELIZ POR ENCONTRAR VCS,PELO BLOG!SOU PORTADORA DA SÍNDROME DE MAYIER ROKITANSKY E MUITOS MEDOS ME CIRCULAM,AINDA NÃO FIZ A CIRURGIA.ESTOU A PROCURA DE UM CENTRO DE REFERÊNCIA OU HOSPITAL QUE COSTUMA FAZER ESSE TIPO DE CIRURGIA.MORO EM PORTO VELHO,RONDÔNIA E AQUI NÃO É FEITO.ALGUÉM PODE ME INDICAR?BJS. OBRIGADA.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá amiga anônima. Estou tentando obter informação de médico próximo a vc.
      Por enquanto o mais próximo que tenho indicação é em Manaus ( Amazonas).
      Por favor entre em contato por e-mail para lhe repassar.
      s.rokitansky@hotmail.com
      BJK

      Excluir
    2. Anônimo7/21/2013

      amada,estou tentando enviar um e-mail para você e não consigo.olha preciso de vocês! não quero perde o contato,vcs são preciosíssimas para mim.vou rever minha net, assim que conseguir,mando e-mail.o meu é walsantos@hotmail.com.br.bj

      Excluir
  54. Olá querida, olha não sei se foi erro de digitação ou se a razão pela qual não consegue nos enviar e-mail esteja aí: vc escreveu seu endereço de hotmail "com.br", hotmail não contém o br.
    da mesma forma nosso endereço tbm não.
    s.rokitansky@hotmail.com
    Eu lhe enviei um e-mail, dê uma olhada na sua caixa de mensagem e tbm na lixeira ( acontece de ir parar lá)
    ---
    Se precisa de nós, aqui estamos!
    Não se preocupe que no que depender de mim , não perderemos contato.
    BJK

    ResponderExcluir
  55. Anônimo9/27/2013

    Oi meninas sou Polianna foi uma benção achar esse blog me achava sozinha no mundo,tenho a mesma síndrome de vcs,o pior foi que meu namorado me abandonou quando soube que ñ podia ter filhos e que nossas relaçoes ñ eram satisfatórias,sou muito rasa devo ter uns 8 cm,mais sem elasticidade alguma tenho 29 anos estou a 9 tentando q o canal aprofunde e ele ñ sai do canto,qdo tenho relação o penis dele topava e ficava uma parte fora sem entrar direito,fui ao médico e me mandou fazer a cirurgia com o colon sigmoide para aprofundar a vagina ou o jejuno,estou muito tensa,pois já ouvir histórias q as vaginas ficam com mal cheiro,por favor me ajudem prq estou desesperada sem saber onde procurar ajuda,ele me indicou um médico na thailandia que faço me ajudem,alguém sabe dos odores das neovaginas feitas com sigmoide ou jejuno,muito grata.

    ResponderExcluir
  56. Oi Polianna , me sinto feliz em saber que nosso blog é canal de benção. Espero que ele te traga as respostas que precisa.
    ... Flor, se seu namorado te abandonou por esta razão é porque não havia amor suficiente. Não que ele não te amasse, mas na convivência diária de um casal existem tantos desafios, que se não fosse por esta razão o término, seria por outra. Então não se culpe. A pessoa certa te amará do jeitinho que vc é.
    Flor, se for analisar bem, um, canal de 8 cm não é tão pequeno assim, uma vez que durante a relação ele se distende. Há casos de canal com pouca elasticidade ( é raro) , mas após anos de tentativa de dilatação acabaram por optar pela cirurgia. Mas o caso que conheço era de 5 cm.. *Temos que lembrar tbm que pênis não são do mesmo tamanho. Pode ser que se não se encaixava com este parceiro, encaixe com outro, certo?
    E vc tentou certinho e com frequencia a dilatação com molde? Utilizou alguma pomada em conjunto?
    Quanto a cirurgia, conheço sim o método que utiliza sigmoide, e já ouvi queixas desse mal cheiro. Mas não posso te afirmar se realmente acontece ou se é cisma. Pois tbm conheço quem passou pelo procedimento e não tem reclamação.
    Mas esta não é a única técnica, vai depender qual método seu médico adota.
    Existe revestimento de membrana amniótica ( placenta), pele da própria paciente ( barriga , coxa..) celulose oxidada ( Surgicel). (Estes são os procedimentos da qual já ouvimos falar)
    O médico te indicou especialista na Thailandia? Mas de qual país vc é?
    Entre em contato pelo e-mail para conversarmos melhor.
    s.rokitansky@hotmail.com

    Abraços!

    ResponderExcluir
  57. Anônimo9/28/2013

    Muito obrigada pela resposta,sou brasileira linda,e vc me ajudou bastante com suas palavras,esqueci de falar que já fiz a cirurgia com enxerto de pele quando tinha 20 anos pois ñ tinha mais de 2 cm,mais mesmo assim me acho rasa até hoje,prq o canal ñ aprofunda mais que isso,tem uma parede que o penis bati ali e ela permanece no mesmo local,doi as vezes,o médico ginecologista q me consultou falou da cirurgia com o colon sigmoide,só que a maioria desses canais é de 12 cm e eu tenho medo de arriscar a vida por mais alguns centimetros,o meu caso acho q ainda foi pior,prq a minha estética vaginal é horrivel,então preciso fazer a cirurgia estética prq ñ me sinto cômoda ñ tenhos pequenos labios e os grandes são muito muchinhos .Numa relação,alguns rapazes que saí acharam estranha e ñ me senti bem,entrei em uma depressão muito forte. Ele me indicou um médico na Thailandia que faz estética vaginal e dizem q é o melhor nisso,mais ele é caro e a uns 3 anos estou economizando para ir até la.ele me sugeriu que fizesse um preenchimento nos grandes lábios afim de me tornar ao menos mais 2 cm mais profunda e a estética ficar melhor com a construção dos pequenos lábios. Por mais que agente diga q é forte,tem aquela dorzinha que vc fica se sentindo menor,mais estou no aguardo como irei fazer essa estética vaginal,ano que vem marcarei,juro que me sentia sozinha no mundo,qdo vi esse blog com tantas histórias semelhantes fiquei muito feliz pois vi como uma ajuda a quem tem tantos receios.Eu só queria ter uma relação e me sentir plena sem constrangimentos com meu orgão genital. Muito obrigada pelo apoio,Polliana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Flor, depois da cirurgia vc continuou utilizando o molde? O médico te orientou que caso não utilizasse , ou tivesse relação com frequência, corria o risco de estenose? ( fechar)
      Essa parede que vc se refere, é pq nosso canal ( construído ou não) possuí fundo cego, justamente pq não há colo de útero. Poucos casos necessitam reoperar. Só um médico com experiência em neovaginoplastia é que poderá te orientar no que se pode fazer.
      Vc possuí ovários?
      .. Olha há excelentes profissionais no Brasil, não creio que exista necessidade de ir para fora, nem para estética , nem para correção do canal.
      Cirurgia estética vaginal já se tornou bastante comum no Brasil ( está meio que na moda). Volte meia se houve falar de artistas que fizeram.
      Lembrando que esta não é uma característica de Rokitansky. É uma particularidade sua, assim como há pessoas com nariz mais comprido ou orelha de abano.

      Entre em contato por e-mail me falando de qual cidade vc é. Podemos ver se achamos um especialista para te indicar.
      OBS: só passamos essa informação por e-mail. A lista de médicos que temos é feita através de indicação de meninas que são pacientes deles.

      ... Não se sinta mais só, estamos aqui para te estender a mão!
      Nem se sinta diminuída . O valor feminino excede a isso. Corpo é uma casca, perece com o tempo.
      Relacionamento é coisa de pele, mas sobretudo é coisa de alma.
      Prova disso é que hoje vemos mulheres perfeitas, verdadeiros símbolos sexuais e que mesmo assim tiveram suas desilusões amorosas.

      ...Mas se para estar bem consigo mesma vc sinta que precisa de ajudinha médica, então corra atrás! Não há nada de errado nisso. Afinal toda mulher quer se sentir mais bonita e confiante né?!

      Aguardo seu contato

      BJK






      Excluir
  58. Anônimo10/08/2013

    Linda muito obrigada por suas palavras,desculpe a ausência foi por trabalho,responderei por aqui suas perguntas para também ajudar as outras meninas.
    Eu usei o molde vaginal sim,fiz a cirurgia e o canal até hoje tem a mesma profundidade,o meu canal tem 9 cm,empurrando o molde com um pouquinho de pressão chega aos 10cm,e o molde entra completo. Sempre usei o molde vaginal quando estava sem namorado,a minha preocupação é que na relação sexual acho q o membro sexual do homem,ñ entra direito,e alguns meninos que namorei ñ contei e todos diziam vc é curtinha ñ é? Pois bem a vagina foi feita com enxerto de pele da região da virilha e estou tentando também consertar essa cicatriz até hoje.
    Minha dúvida é se algum cirurgião conseguiria completar um pouco mais o canal,e dessa vez com o surgicel que vc me falou prq cicatriz ñ quero mais,por ironia do destino trabalho como modelo fotográfica e é um tormento já esconder a da virilha,já usei todos os cremes possíveis e imaginários para melhorar ,ñ é visível o bikine cobre. Outra questão,nunca usei creme vaginal para alongar o canal. Outra pergunta possuo ovários sim,mais ñ útero,ser mamãe só do coração e serei um dia de 3 se Deus quiser, Estou a procura de um ótimo cirurgião para fazer essa complementação do canal prq tenho dilatação zero,por isso estou a juntar dinheiro para fazer isso e me sentir plena na hora da relação. Estou na pesquisa para ver se consigo complementar com surgicel prq essa parede tão cerca da abertura da vagina é horrivel, Depois pelo e-mail te envio meu estado,muito obrigada pela atenção,Polianna

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi flor!!
      Bem,continuo minha opinião de que não é necessário uma penetração completa para ter satisfação sexual. E te digo mais , um canal de 10 cm é um tamanho bom , partindo do princípio que o canal normal tem em média 8 cm. Quando a mulher fica excitada, aumenta para 10 ou 15 centímetros. A elasticidade é proveniente da excitação, uma resposta da natureza ao ato sexual. Estão é diferente vc medir um canal " a seco" e durante o ato.
      Algumas posições também possibilitam uma penetração mais profunda.
      Muitas vezes ficamos tão tensas que o corpo retraí, o que dificulta a relação.
      Por isso muitas queixas são mais de consequência psicológica do que física.
      Mas se isto te incomoda muito, então ouça a opinião de médico para saber possibilidades e riscos de reoperar. Penso eu que é inevitável outra cicatriz, mesmo operando por outro método.
      Além da celulose oxidada, a membrana amniótica tbm não utiliza pele da própria paciente.
      Entre em contato por e-mail que te passo indicação de médicos.

      Boa sorte no seu sonho de ser mãe. Que venham 3 lindo e abençoados presentes de Deus!

      BJK

      Excluir
    2. Anônimo4/23/2015

      deixa um mal cheiro, mas eu estou lavando minha vagina com dermacid frequentemente e tem uma espuminha chamada Higyne que ajuda no asseio. Minha doutora disse que é temporário, que o mal cheiro é porque uma parte da pele do enxerto, é eliminada naturalmente após a cirurgia e isso passo com uns 3 meses e dá pra sobreviver. O que posso dizer em relação ao sexo é que eu tinha relação parcialmente normal, com apenas 3 cms e sobrava pouco do penis do meu parceiro para fora. Após a cirurgia ainda não fiz sexo pra saber, mas acho que a vagina dilata mt na hora da excitação. Pois com só 3 cm eu conseguia ter relação em algumas posições

      Excluir
  59. - Ola Sou tenho 16 anos ,vou fazer 17 agora em novembro, a POUCO TEMPO ,minha mãe marcou uma consuta com o medico ,pois n tinha menstruado ,ela me viu em geral e me passou uns exames de utra sonografia abdominal pois sou virgem ,e a idade ossea ,então fiz ai o medico do ultrassom falou que eu estava com suspeita da Síndrome de Rokitanski , ea idade ossia estava como 12 anos ,entao repassei tudo isso para a medica e então ,elle me falou que tudo era uma suspeita. e me falou so isso e agora tou esperando para passar com um ginecologista ......
    E estou muito nervosa ,não fiquei triste pois talvez n possa ter filhos , pq posso tar adotando . Mas medo de ter dificuldades na minha vida sexual .Estou cheia de duvidas e querendo que isso só seja uma suspeita .

    ResponderExcluir
  60. Olá " Bacana saber o que fazer", flor como a médica falou, são só suspeitas. E pode-se suspeitar de outras patologias que tbm causam ausência de menstruação. A melhor coisa é conversar com sua ginecologista e quem sabe tbm um geneticista. Fazer exames complementares de cromossomos, ressonância...
    Não sofra por antecipação. Vamos aguardar o diagnóstico certinho.
    Torcendo pra que não seja, mas se for , estaremos aqui pra te ajudar.
    Mande notícias. BJK

    ResponderExcluir
  61. Anônimo11/12/2013

    Ola tenho 15 anos e descobri que meu canal vaginal 'e fechado , e minha mae falou que eu tenho que fazer uma cirugia mto complicada quando quiser ter relacoes sexuais. Estou muito confusa e gostaria de saber se essa cirugia e mto complicada e se causa muita dor ? tambem queria saber se com ela a vagina nova se torna igual a das mulher sem a sindrome ? Posso fazer essa cirugia com 16 anos ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Flor o ideal é que a cirurgia seja realizada qdo vc puder ter relação com frequência, tipo qdo tiver namorado fixou ou for casar...
      Isso pq após a cirurgia é necessário usar a prótese por um tempo até cicatrização e depois é necessária a manutenção do canal, tbm com exercícios de dilatação ( molde ou relação) . Isso para não estenosar o canal ( fechar novamente).
      Então uma maturidade e compromisso com exercícios é necessário.
      A decisão de quando fazer será em conjunto: vc , seus pais e seu médico.
      A cirurgia digamos que não seja tão complicada, o pós cirúrgico é que exige bastante repouso, paciência pois a princípio precisa ficar bastante deitada, comer alimentos líquidos e pastosos... e como mencionei a manutenção do canal.
      Sim!! Com a cirurgia seu canal ficará exatamente igual ao de qualquer mulher.
      Será satisfatório tanto pra vc qto para o parceiro.
      Seria bacana vc consultar novamente médico para saber se a cirurgia de fato é necessária. Ou se pode tentar a dilatação.
      E qto ao útero e ovários? Vc possue?

      Se desejar conversar melhor entre em contato por e-mail, vc ou mesmo sua mãe.
      s.rokitansky@hotmail.com

      OBS: não sou da área de saúde, eu também sou uma Rokitansky.

      Excluir
  62. Anônimo1/28/2014

    Olá,
    Em primeiro lugar queria parabenizar pela iniciativa do grupo e dizer que foi muito útil!
    Tenho 26 anos, sou a quarta filha de quatro irmãos (duas mulheres e dois homens). E descobri que havia algo de "errado" comigo quando percebi que já tinha passado da idade de menstruar, comparado as minhas irmãs. Aos quinze anos fui ao ginecologista que me aconselhou a esperar até os dezoito para ver se algo acontecia. Aos dezoito retornei e a ginecologista prescreveu alguns exames (ultrassonografia, exame de sangue). Como na ultra não apareceram nem útero nem ovário, ela me encaminhou para o endocrinologista e a um exame (tomografia computadorizada) e me disse que eu poderia ter uma síndrome (não me lembro se foi rokitansky) que poderia ter nascido sem útero, ovário e que talvez precisasse fazer cirurgia no canal vaginal dependendo da extensão dele, para futuras relações sexuais. Todos da minha casa sabiam, minha irmã mais velha foi comigo ao consultório não tinha nenhum problema de contar que podia ter nascido sem útero e ovários. Mas uma questão me preocupou: a cirurgia e a possibilidade de ter problemas na relação sexual. Fiz o exame (tomografia) que também não encontrou os órgãos em questão. sem recursos financeiros e por um pouco de comodismo de minha parte, fui deixando pra lá, pois nem tinha vontade de ser mãe, e até nem pensava em casar e não tinha iniciado a vida sexual e o único sintoma que tinha era a ausência de menstruação (o que eu acho maravilhoso). Quando conheci meu primeiro namorado e começamos a namorar, fui de cara contando que nunca tinha ficado menstruada e que talvez não pudesse ter filhos. Mas o que a ginecologista havia dito sobre a cirurgia não me saía da cabeça. Na minha primeira relação sexual aos 22 anos, foi horrível, doeu de mais,enfim, nem sei dizer se teve aquele sangramento... E as outras que se seguiram durante um ano que estivemos juntos não foram tão diferentes. Não tinha com quem conversar sobre isso, porque minha família é conservadora e não podia falar... Então chorava bastante achando que era por conta do problema. Daí conheci meu atual namorado e contei sobre o problema pra ele. Com ele foi diferente, foi bom. Ele já tem duas filhas e acho que isso até me tranquiliza um pouco por saber que posso não ter filhos. Ainda sim ele foi o único que despertou em mim a desejo de me casar e ter filhos. Bom a ultima vez que fui ao ginecologista, ouvi dele que meu problema é complicado e eu deveria procurar o endócrino. Bem fui ao endócrino e ela me prescreveu dois exames (de sangue e ultra transvaginal) e muito atenciosa me disse que não era pra deixar de lado como vinha fazendo, mesmo que demorasse (pelo sistema público). O tempo foi passando e eu fui "empurrando com a barriga" e ainda não tenho diagnóstico. Espero agora eu me encoraja e não adie mais, e vá até o fim.Confesso que ainda tenho esperanças de descobrir que os exames estavam errados e que o meu útero e ovário estão li escondidos...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi querida, essas questões de consultas e exames são desgastante principalmente emocionalmente. Mas é necessário! Se de fato vc não tem ovários, é preciso checar a necessidade de reposição para evita osteoporose precoce e entre outras coisas que podem ter alterações. Talvez por ser ainda jovem, fisicamente não sinta a necessidade dessa reposição,mas ela existe! Ou de repente pode descobrir que tenha ovários alojados fora da cavidade abdominal. mas essas coisas somente exames de sangue, dosagem hormonal, cariótipo é que vão esclarecer. Concordo com seu médico! Mesmo que demore pelo SUS, não desista! Qto ao canal , pode ser que nem necessite de tratamento. As vezes a gente não se encaixa com uma pessoa , mas se encaixa com outra. A liberdade de ser quem é, a cumplicidade , confiança .. tudo isso auxilia na hora da relação.
      Quanto a filhos, podem formar uma linda e feliz família através da adoção.
      Se passou muito tempo sem ter com quem conversar sobre isso, aqui estamos nós!
      Pra te encorajar, estimular,apoiar e ajudar seu coração se encher de esperança...
      Se descobri , redescobrir e buscar da vida toda felicidade e realização que você merece.
      Grande beijo!

      ... por falar em médico.... entre em contato por e-mail dizendo de qual cidade vc é. Quem sabe temos um especialista pra te indicar.



      Excluir
    2. Fiquei feliz ao encontrar este blog, nunca imaginei encontrar tantas mulheres como eu, sempre me senti sozinha, nunca conheci ninguém com o mesmo problema. Sofri muito, fiz 3 cirurgias que me causaram traumas horríveis, e o pior é que nenhuma deu certo, isso a 25 anos atrás. O que mais me deixou triste qdo descobri, foi a infertilidade, eu já namorava e desde o namoro, nós já combinamos em adotar. Qdo me casei, eu só tinha um pensamento, quero ser mãe, depois de exatamente 9 meses de casada aconteceu um milagre, conseguimos adotar uma menininha linda de apenas 3 dias, foi o dia mais feliz da minha vida. Hj sou uma mulher realizada com meu marido e minha filha que já está com 21 anos. Um godé abraço a todas vcs, que Deus esteja sempre ao lado de vcs.

      Excluir
    3. Oi Regina!!
      Poxa vida, 3 cirurgias???? Faço ideia dos traumas. Mas passado é passado. Claro, deixam marcas, mas o importante é que a vida seguiu e trouxe grandes alegrias.
      Que delicia, imagino a plenitude, a emoção que sentiu quando sua filha nasceu pra vc. É indescritível o sentimento qdo encontramos nossos filhos né? Toda dor desaparece.
      Fico feliz querida com seu depoimento, por deixar claro que é feliz e realizada apesar dos obstáculos que um dia teve no caminho.
      Somos guerreiras!
      Grande abraço!!
      Marcia

      OBS: Desejando conversar mais, este é o e-mail: s.rokitansky@hotmail.com

      Excluir
  63. Anônimo7/16/2014

    sou mãe de uma garotinha de 11 anos e descbrimos que ela sofre dessa sindrome estomos sofrendo muito por não enteder muito sobre o asunto , mas agora depois de ler varios depoimentos fico um pouco mas feliz em saber que minha filha não e a unica e que vai dar pra ela ter uma vida normal

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi mãe, entendo sua aflição, mas com o tempo isso vai amenizar.
      De fato sua filha não é a única, existem milhares de mulheres raras e preciosas por aí. E vcs nunca estarão sozinhas, a não ser que desapareçam da gente ( rs). Estaremos aqui para te ajudar em todas as duvidas que tiver.
      Sua filha terá sim uma vida normal, cheia de sonhos e realizações.
      Pra cada pessoa a vida dá um desafio, esse é o nosso. Depende da gente a maneira como vamos enfrentá-lo. Que seja corajosamente e com a com a alegria de saber que a vida é linda e que há inúmeras possibilidades para nós.
      bjk

      Excluir
  64. Anônimo9/27/2014

    Bom tenho 17 anos e nunca desconfiei nada diferente em meu corpo-ate agora. Na vagina da mulher ha um orificio no qual eu nao possou. Disseram que eu nao tinha utero e nao podia ser mae. Estou realmente apavorada com isso. Estou confusa sem saber o que fazer.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi flor, vamos tentar manter a calma para procurar ajuda.
      A melhor coisa a fazer é ir ao médico para que te examine e te fale se há necessidade de tratamento. Se tiver dificuldades de encontrar um especialista, entre em contato por e-mail nos contando de qual cidade vc é, quem sabe a gente tenha uma boa indicação par te dar.
      ( s.rokitansky@hotmail.com )
      Não sofra por antecipação, seja o que for tenho certeza que vc encontrará solução.
      BJK

      Excluir
  65. Anônimo11/25/2014

    Olá! Adorei o blog e é bom saber que alguém me percebe e sente o mesmo que eu.
    Tenho 16 anos e há relativamente pouco tempo (cerca de 2 meses), fui à ginecologista, pois achava que não era normal ainda não ser menstruada e após alguns exames disse que tenho síndrome de Rokitansky (não tenho útero e tenho apenas 2cm de canal), ainda este mês farei uma ressonância electromagnética para acabar com qualquer dúvida que ainda possa haver.
    Quando recebi a notícia foi um misto de emoções: revolta, raiva, medo, desilusão...
    Ainda me estou a habituar a isto e ter encontrado este blog foi ótimo, porque ainda não consigo falar com ninguém sobre a síndrome.
    Alguém sabe quantos casos é que foram diagnosticados em Portugal?
    Beijinhos e força para todas!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida anonima te peço perdao por nao poder responder com a dedicaçao que merece. Estou pasando uns problemas de saúde q Deus há de abençoar q passe logo. Como percebi q é de Portugal, vpu te passar p endereço do blog das meninas, tenho certeza de que vao te ajudar. Bjk http://mrkhportugal.blogspot.com.br/?m=1

      Excluir
    2. Oi , você tem email? Gostaria de conversar com você tenho 15 anos

      Excluir
    3. Tenho sim flor

      s.rokitansky@hotmail.com

      Excluir
    4. Anônimo1/26/2015

      Beatriz Silva: Olá, eu sou a anônima, se é comigo que pretendes falar tenho todo o gosto, mas para manter o anonimato, prefiro que sejas tu a dar-me o teu email e eu respondo. Beijinhos!!!

      Excluir
    5. QUERIDAS PARA PRESERVAR A PRIVACIDADE DE VCS, NÃO PUBLICAMOS COMENTÁRIOS QUE CONTENHAM ENDEREÇO DE E-MAIL.. MAS PODEMOS INTERMEDIAR ESSE CONTATO,
      MANDE O ENDEREÇO PARA NÓS JUNTAMENTE COM A PERMISSÃO E INDICAÇÃO PARA QUEM DESEJA QUE REPASSE.
      bjk.

      Excluir
  66. Anônimo1/29/2015

    Boa noite..meu nome é Fernanda..
    Gostaria de deixar claro que adimiro todas vocês sem execao.. Hoje gostaria de compartilhar algo que me corroe a 8 anos. Em 2006 tive uma filha uma menina linda... porem em seu nascimento o medico achou estranho o fato dela ter os grandes labios inchados.. me mandou com minha filha para tratamento e acompanhamento, com 20 dias ela fez uma cirurgia de " hernia enguinal" para poder retirar tambem duas bolinha que estavam em seus grandes labios... esta foi para biopsia... constatada como testiculos feminilizantes. O medico fez ultrasson e constatou ne epoca que ela nao possuia ultero, e a pouco menos de um mes peguei o resultado final dos exames dela.. seu cariotipo e ultrasson deixa claro que ela possui sindrome de Morris, o que ela sempre teve.
    Sabem... eu peço perdão por nao ter palavras de conforto, pois desde a suspeita quando ela não tinha nem um ano eu apenas esperava um milagre de Deus .. pedia que isso fosse apenas uma prova de fé.. mas nao foi assim... hoje ao escrever a você não posso me conter em lagrimas e sentimentos de tristeza... porque me pergunto a cada minuto como contarei a minha filha que ela não pode gerar um bebe... e como contarei a ela que ela possui esta sindrome... sendo que ela ja fala do sonho de ser mãe( de gerar um bebe)... me sinto totalmente culpada ainda que medicos digam que não... não posso ou não consigo mudar isso... a cada dia que passa a impotencia e teorema vão me cercando mais e mais...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mãezinha , entendo sua aflição e gostaria muito de nesse momento lhe dar um abraço de conforto e força. Nós mães desejamos o melhor para nossos filhos, daríamos a vida para não vê-los sofrer e nada nos dá mais alegria do que ver eles realizarem todos os sonhos. Mas olha, vou te dizer algo que aprendi: As vezes a gente espera milagres físicos, palpáveis... mas há milagres que acontecem onde ninguém vê,em nosso coração. É um milagre qdo aprendemos ser felizes exatamente como somos. É milagre qdo superamos nossas limitações. E te digo que tenho o privilégio de conhecer muiiiitos milagres! Moças que são casadas, felizes, que estão grávidas do coração esperando que seus presentes cheguem através da adoção. Mulheres admiráveis, competentes , cheias de qualidades. Sd é um detalhe.
      Sei que não é uma tarefa fácil contar. Peço a Deus que te dê sabedoria, força e muita esperança para transmitir a sua filha. Não se culpe, nada disso! Quem dera tudo estivesse sobre nosso domínio, mas não é assim , infelizmente. Mas se não temos o poder de mudar as coisas, temos o poder de mudar nossa maneira de olhar para elas. Seja a força de sua filha! A ajude olhar de outro ângulo.... Veja que beleza, semana passada saiu a notícia que uma moça com Morris e resquício de útero conseguiu gerar após tratamento revolucionário!!! ( logo postarei essa noticia aki, ainda não o fiz por estar dodói) Não sei a idade de sua filha, mais sei que diversas esperanças têm surgido para o futuro. Sei que vc assim como sua filha precisam de ajuda, procure um profissional e se desejar temos grupo de meninas onde tbm há algumas mães.Se desejar conhecê-las, entre em contato pelo e-mail : s.rokitansky@hotmail.com
      Bjk fica com Deus
      Acalme esse coração

      Excluir
    2. Anônimo4/23/2015

      eu passei exatamente pelo que sua filha passou, a hernia ignal bilateral na infânciae posteriormente, na adolescencia descobri a sindrome, o que posso te dizer é que hoje eu não sou casada ainda, pois só tenho 21 anos, mas fiz minha cirurgia para o aumento da vagina, faço a reposição hormonal, tenho cariotipo XY e retirei a gonada mal formada. Dentro de mim as vezes tem uma vontade de ser mãe maior mesmo do que minha irmã que é completamente normal e sei que serei, vou ter tudo que sempre sonhei, não perdi a fé sabe e mesmo que surja algum tratamento pra isso um dia, prefiro contar com a adoção que é uma forma linda de ser mãe e que tenho certeza será a minha forma de gerar alguem pra esse mundo. Você pode ter certeza que é uma fardo dificil no começo, mas logo tudo se ajeita, minha mae sofreu mais do que eu, porque mãe sofre duas vezes, mas acredite, assim como fui pra minha mae sua filha junto com você vão se apoiar pra superar isso juntas

      Excluir
    3. Bom mãe, deixa eu te falar um pouco da minha experiência. Tenho a Sindrome de Morris, nasci com vagina normal, e só descobriram por conta de uma cirurgia de hérnia. Tenho a lembrança que com 5 anos de idade eu no consultório da minha ginecologista ela me contou que eu não poderia ter filhos. Eu achei aquilo tão normal, tão normal que cheguei nos meus amiguinhos e contei toda feliz que não poderia menstruar (que foi o lado bom que me ensinaram). Eu com 5 anos, percebi a reação da irmã de uma amiguinha que era adolescente. A reação dela não foi normal e isso me fez não querer contar pra mais ngm. Minha mãe me preparou muito bem, cresci aprendendo a entender o destino, o carma, as limitações e o lado o bom (q era não ter pêlos, acne e menstruação) coisa de criança. Óbvio que me julgava diferente das outras amigas, sofria, chorava com isso. Mas tudo isso foi substituído pela alegria de quando meus seios começaram a crescer (fiz tratamento de reposição hormonal as 14 anos). Ai pronto, me sentia igual a todas (evitava de trocar de roupa perto das amigas por não ter pêlos, isso sim doia em mim). Aos 16 anos perdi a virgindade.... Tinha 2 cm de canal vaginal e o pênis do meu namorado era enorme. Doeu, mas era uma dor suportável e até então pra mim normal pois eu era virgem. As relações fizeram com que o canal se adaptasse ao tamanho do pênis, logo tive relações normais. Sobre a gravidez, também não foi um problema pra mim, meu ex-namorado entendeu a situação. Com o tempo, decidimos querer estar com pessoas que nos aceita. Assim fui criada, sob o lema de "Ou vc soma, ou vc some". Sou alta, 1.74, tenho pouco cabelo, não sou careca, mas é tão pouquinho. Óbvio que é por conta dos hormônios, mas tenho amigas que são mães e tem pouco cabelo igual eu ou menos. Tenho o corpo maravilhoso, pele impecável, sou inteligente, bem sucedida. Sou muito bonita, onde vou chamo atenção. Tenho bloqueios, tenho dificuldades quando o assunto é sexo, tenho pouca lubrificação, mas tenho a consciência que todos os meus problemas são psicológicos. Então, é uma vida diferente sim, mas quando passamos a entender e aceitar, corremos atrás. Então mude sua postura, senão, vai acabar passar sua insegurança para sua filha. Te entendo, mas saiba que ela só se aceitará, no momento em que for tratar com normalidade. Um beijos e boa sorte.

      Excluir
  67. Anônimo2/03/2015

    Meu caso é um pouco diferente do de vocês, com 15 anos comecei com dores muito fortes e passei pelo medico, demoraram muito tempo ate achar l meu diagnóstico, quando descobriram me disseram que eu tinha o útero e os ovários porém não tinha o colo do útero e a abertura por onde sai a menstruação .
    E meu canal vaginal era fechado, passei por uma cirurgia com 15 anos mesmo, pra tentar corrigir o erro do colo do útero, mas não conseguiram e como eu estava na mesa cirúrgica eles já fizeram a reconstrução da vagina e eu passei a usar um molde, para não fechar, hoje eu tenho 16 anos, prestes a fazer 17, e entendendo a importancia de ter usado certo o molde, eu não entendia por isso não usei como os médicos falaram, eu passo pelo SUS, e hoje eu fui ao médico dizendo que eu queria fazer a cirurgia para reconstrução da vagina e eles me disseram que não vão fazer, pois eles ten certeza que vai fechar mesmo eu usando o molde, eles falaram que vão fazer só quando eu tiver uma vida sexual ativa, mas vocês devem saber que não é assim, quando eu tiver um namorado queria estar com esse problema resolvido, sera que se eu passar a forçar com o molde a abertura aumenta ? Vocês tem algum medico pra me indicar aqui em são Paulo pra essa reconstrução , por que hoje eu chorei o dia inteiro.
    Quero fazer essa cirurgia pra me sentir normal e não só quando eu tiver um namorado .
    Alguem por favor me ajuda, eu não aguento mais chorar me sinto desnorteada .
    Hoje eu tomo anti concepcional direto para a menstruação não vir e ficar acumulada no útero . mas o problema maior não é não ter filho é o problema sexual que afeta o meu psicológico .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Flor,conheci casos assim como o seu em que havia útero funcionante. Não retiraram o útero? o.O
      É ... infelizmente qdo não se usa o molde corretamente acontece a estenose. Creio que por ter passado por isso, vc tenha compreendido a necessidade e importância do molde, para que não ocorra estenose novamente. Com certeza é bem mais fácil e segura a manutenção do canal qdo se tem relação com frequência, mas também compreendo seu desejo de estar pronta para qdo encontrar alguém especial. Pode se que com exercícios de dilatação vc consiga progressos, mas isso somente médico por te informar, cada caso e cada organismo responde de uma forma. Entre em contato comigo por e-mail que te passo uma super indicação em SP que tenho certeza que cuidarão de vc com bastante atenção.
      s.rokitansky@hotmail.com

      Excluir
    2. Anônimo4/23/2015

      bem eu tenho a sindrome de morris e não posso ter filhos, fiz a cirurgia de neovagina assim como você e estou usando o molde até hoje, já vai fazer 4 meses. Você tem que buscar apoio psicologico e tbm ver outro doutor pois a sua negligencia com o molde nao pode ser desculpa para que nao façam sua cirurgia

      Excluir
  68. Anônimo3/02/2015

    Olá, fiz a cirurgia de reconstruçao e estou usando um molde, fará 1 ano em abril que uso ele, vcs sabem me dizer mais ou menos quanto tempo tenho que usa-lo?

    ResponderExcluir
  69. Anônimo4/23/2015

    Gostaria de saber se alguem que tenha a doença, morris, após adotar um filho, é possível amamentar? Se existe algum medicamento que faça desenvolver leite materno

    ResponderExcluir
  70. Meu nome é Luzia.... Tenho hoje 42 anos, Assim como vocês descobri aos 14 anos por falta da menstruação ... Que tinha má formação de útero e ovário esquerdo, e que meu canal era completamente fechado.... E que teria que fazer uma cirurgia para abrir o canal, e que também nunca iria ter filhos..... Foi um choque pra mim, meus pais eram muito humilde, morávamos num sítio na época, resumindo eles não tinham condições para pagar uma cirirgia.... Perdi a vontade de estudar, ficava sempre sozinha sem vontade conversar com ninguém, chorava muito, mas minha mãe sempre me apoiava apesar dela não ter estudo nenhum.... Sempre me dizia que Deus sabia o porque de eu ter nascido assim.... O tempo passou , e quando eu tinha 19 anos consegui fazer minha cirurgia.... Que foi no dia 28 de julho, foi retirado um pedaço do meu intestino e feito o canal.... Também foi retirado o útero e o ovário esquerdo, pois o médico me disse que era tão feio que só serviam pra ser jogados no lixo.... Era preto e todo enrugado.... Foi uma cirurgia demorada, os médicos passaram com suco e pão... Uma equipe de 8 entre médicos e seus ajudantes.... Enfim 15 dias no hospital, depois um ano de fisioterapia para não fechar o canal, mas é isso Eu sou feliz assim do jeitinho que Deus Me fez... Já questione demais.... Hoje não quero mais entender. Sou feliz assim.... Beijos meninas Deus as abençoe.... Sejam feliz é tudo o que eu desejo a vocês.

    ResponderExcluir
  71. Anônimo8/26/2015

    entao descobri que tenho essa sindrome com 17 anos sou de manaus,e com o passar dos tempos me casei e vim para o rio de janeiro fazer um tratamento para dilatar o canal vagina,conseguir mas ja estou casada a 13 anos e agora tenho dores na hora da relacao sexual,na epoca os medicos disseram que se dilatase nao precisava de cirurgia.
    so que tenho uma pele que entra e sai na hora da relacao,tipo um fundo cego e isso me deixa envergonhada,e ta feio estou pensando em fazer cirurgia pois essa pele me incomoda muito a aparencia e horrivel,me ajudem eu moro no estado do rio e gostaria de opiniaode vcs bjs

    ResponderExcluir
  72. Anônimo8/26/2015

    ainda estao fazendo tratamento no hospital da moncorvo filho

    ResponderExcluir
  73. Anônimo9/03/2015

    Olá.. meu nome é Mel... tenho 41 anos (mas nao me sinto com essa idade rs rs )... Também descobri aos 16 anos por causa da menstruação que não vinha. Minha mae me levou em ginecologista, mas nos primeiros ultrassons só foi detectado "utero infantil" e a medica me receitou tomar anticoncepcional para "descer". Mas o tempo passou e nada da menstruação, trocamos de ginecologista que pediu o exame "laparoscopia" com anestesia geral e foi detectado MRKH. Tb fiz o exame de "genes" e foi confirmado cromossomos femininos normais. A medica explicou que eu nao tinha utero, nao poderia ter filhos e que poderia fazer a cirurgia de neovagina. Na época nao tinha internet, entao as informações só vinham da medica mesmo. Ela sugeriu tb procurar uma psicologa para ajudar na parte emocional. Mas optei por nao fazer a cirurgia e nem procurar psicologa. O fato de nao ter filhos nao me preocupou naquele momento pois era algo muito distante para mim (estava passando naquele ano a novela "Barriga de aluguel" e me ajudou a entender q bem mais para frente alguem da minha familia poderia me ajudar e ser barriga de aluguel), entretanto minha mae ficou bastante chocada e eu q tive q consolá-la.. rs rs rs... Esqueci do assunto por uns anos, achava até bom nao ter menstruação, ia para a piscina e praia sem me preocupar. Escutava as historias das minhas 2 irmas mais novas e de amigas sobre menstruação e dava graças a Deus por eu nao ter. Entrei na faculdade e fiz tantos amigos, viajava, saia a noite, tive alguns namoradinhos (mas nada serio) e aproveitei todos esses momentos sem pensar no assunto. Pensava q nem iria casar e gostava da vida q eu levava. Mas aos 23 conheci um rapaz e me apaixonei, ele tb. Comecamos a namorar e quando começou a ficar sério precisei retomar o assunto. Nesse periodo surgiu a internet e como eu fiz faculdade de computação, encontrei um grupo de meninas dos EUA e me comuniquei com uma delas, que enviou para mim por correio um monte de artigos médicos e um material vasto sobre o assunto. Ai que eu pude entender melhor do que se tratava. Procurei outra ginecologista (uma indicação do medico do meu pai), ela conhecia e estudava esse assunto. Ela me informou dos pros e contras da cirurgia e me sugeriu fazer o procedimento de "dilatação" que nao eh invasivo. Comecei a usar os moldes e em alguns meses já estava com o comprimento adequado e podia ter relaçoes normais com meu namorado, que logo depois virou noivo e depois meu atual marido. Contei tudo para ele enquanto namorávamos e ele me apoiou em tudo. Depois de alguns anos de casados pensamos na opção de barriga de aluguel, mas nao encontramos ninguem da familia que pudesse ajudar naquele momento. Então decidimos adotar. Participamos de varios grupos de apoio a adoção e nos cadastramos em varios foruns do país. Nossa "gestação" foi de 2 anos e nosso lindo bebê chegou com apenas 3 dias para nós. Foi uma felicidade enorme! Senti a presença de Deus naquele momento mágico. Hoje formamos uma familia feliz, sem dores de cirurgia, sem traumas, sem aluguel de barriga, sem fertilização, acho que optamos pelo melhor caminho. Ou melhor, seguimos o caminho que Deus nos proporcionou. Muitas lições de vida pude aprender. Estamos casados há 14 anos e temos um lindo filho de 9 anos. As vezes penso em adotar mais crianças, mas a correria do dia a dia me faz adiar (quem sabe aos 50... rs rs) Vamos seguindo com fé e esperança!!! Aproveitem cada momento da vida de vocês! E acreditem que Deus sempre nos dá forças para seguirmos em frente! Abraços a todas!

    ResponderExcluir
  74. Olá, bom dia!

    Me chamo Marcia, tenho 31 anos e fui diagnosticada com a Síndrome de Rokitansky á menos de uma semana. Mas a minha historia começou muito antes, aos 16 anos, onde não havia menstruado, Não tive muita sorte com médicos, pois todos "anti-profissionais" trataram do meu caso com bastante descaso e também como não tinha recursos na época e pouca informação não pude tratar isso cedo. Mas em meio a lutas e com exames descobri que tenho útero infantil,mas ovários perfeitos, mas mesmo assim não havia a menstruação. Tive medo e muitos obstáculos. Para ter uma vida sexual normal foi bem difícil, mas tive ajuda do meu namorado, que hoje é meu esposo e meu grande amigo. Que se não fosse por ele, não tinha uma vida sexual normal. Foram diversas tentativas e com muitooo esforço (digo muito mesmo rsrsrs) conseguimos manter nossas relações. E o tempo foi passando, casei e nunca menstruei mesmo. E hoje com 31 anos, com recursos descobri de forma inesperada ,que possuo 1/3 da vagina, a mesma também em fundo cego e sem a existência do colo do útero. Com tudo isso não podendo menstruar e ser mãe. Mas graças a deus um anjo apareceu o Dr. Ary Braga que entre todos os médicos me fez entender tudo que tenho e as possibilidades de ser mãe. Ainda estou por fazer uma tomografia da pelvis para vermos o que pode ser feito, pois segundo ele, e é bem visível que sou uma mulher muito bem desenvolvida, com tudo que qualquer outra mulher tem. Então nossa esperança é existe óvulos para fazermos a "barriga de aluguel" em minha cunhada que já se disponibilizou. Então com fé e ajuda de Deus vamos lutar para que dê tudo certo. Espero trocar experiencias, pois preciso me conhecer tambem, pois pra mim tudo isso é muito novo.
    Esse é meu email: marcia.sallesstm@gmail.com
    meu whatsapp: (93)99223-5457
    Caso queiram conversar estou a disposição

    Muito Obrigada

    Márcia Sales

    ResponderExcluir
  75. Anônimo10/22/2015

    Bom primeiramente eu quero parabenizar o blog e a essasmulheres que divide seus medos , suas alegrias e principalmente suas vidas .
    descobri que algo havia de errado comigo a partir dos 13 anos , devido a preocupação da minha mãe , pelo atraso da menstruação. Me pediram então exames , fui em vários médicos e ouvi tanta coisa naquela idade sinceramente não entendi nada, na verdade eu fugia dessa conversa ,. muito tempo se passou , e aconteceram mudanças em minha vida , a primeira delas , foi a realização de uma cirurgia bariátrica em 2012 , passei a me amar mais , fiquei muito tempo da vida sem que meu coração bate mais rápido e eu pudesse sentir aquele friozinho na barriga .conheci um rapaz muito lindo , daqueles que eu realmente não imaginava ficar , por que assim eu sempre fui muito preconceituosa comigo mesma .ficamos poucas vezes e me apaixonei e com ele eu senti vontade de dar o segundo passo já que eu sou virgem ate hoje ,então enfim tive coragem e fui enfrentar os meus medos , fui a ginecologista , que me solicitou uma ressonância , nesse exame ficou constatado que eu não possuo útero e nem ovários e que o canal vaginal , praticamente é inexistente. fui orientada então a fazer o exame do cariótipo , e me consultar com um cirurgião plástico.. consultei tb um especialista que faz esse tipo de cirurgia , me explicou bem direitinho , e assim fiquei com medo , mais tb muito esperançosa ! Ele me deu um tratamento alternativo que vou realizar por volta de 4 meses . usar um molde pra tentar criar , quer dizer aumentar a extensão do canal vaginal . ele me orientou a usar primeiramente um anticoncepcional devidos meus hormonios estarem como de uma mulher mais velha . e passou o uso da pomada premarim . indicou que eu comprasse uma seringa de 10 ml cortasse o bico , raspasse com uma lixa , e revestisse com o preservativo , e ir realizando a introdução da mesma 3 vezes ao dia por 30 minutos . estou fazendo , mais confesso que sinto muita dor , e nem preciso dizer o quanto tudo isso tem mexido com o meu estado emocional . tem dias que to bem ,e as vezes o mundo parece que vai desmoronar . conversei com muitas pessoas me abri verdadeiramente e me senti em paz acho importante vc contar pra quem seu coração se sinta bem . acho que independente de estarmos expostas a todo tipo de reação e fofoca, falar me alivia !Sabe quando eu fiquei sabendo que não poderia ter um filho , confesso que não me senti abalada . mais hoje aos 28 anos as coisas começam a pesar, eu muita vezes eu paro e penso porque eu ? é quantas de nós nos fizemos essa pergunta . Agora estou juntando os meus pedacinhos , dizendo pra mim mesma tudo vai dar certo ! e sabe no fim das contas quando toda essa raiva, frustração e angustia da espaço pra outros sentimentos... outros pensamentos , eu consigo ver muitas coisas boas . acho que se tudo aconteceu desse jeito era pra ser assim , quem sabe essa limitação temporária tenha me livrado de tantas coisas piores , de tantas pessoas que não entenderiam meu valor . esse rapaz do qual falei acima , é uma pessoa que me fez me sentir bem , gostaria muito que ele sentisse tudo o que esta passando aqui dentro de mim , nunca expliquei o porque de tudo pra ele afinal tive vergonha . ele começou um namoro com uma moça , e isso tudo me fez pensar ! Chega de desistir não quero mais isso pra mim, não quero ser trocada por que não posso ter relação com uma pessoa (as vezes esse nem foi o motivo , apenas não era pra ser ) ele me fez sentir muita coisa, e fico muito triste de não estar com ele , agradeço mesmo assim , afinal foi através dele , que tudo isso começou . apenas de uma coisa eu sei eu vou conseguir , eu tbm vou ter uma família , vou reorganizar minha vida como muitas de vcs fizeram , eu hoje optei por ser feliz independente da dor ! Vou indo minhas queridas e desconhecidas amigas . fiquem todas com deus felicidades a todas

    ResponderExcluir
  76. Anônimo6/05/2016

    Bem, é com satisfação e alivio que deixo aqui um pouco da minha história que não é diferente das citaçoes acima. A única diferença é que só descobri o que tinha agora pois, tinha vergonha de procurar um médico. A minha história é a seguinte: A partir dos meus 13/14 anos comecei a oerceber que havia algo errado comigo, pois todas as meninas de minha idade ja tinham menstruado , só eu que não. Me sentia diferente e tinha vergonha de tocar no assunto. Eu morava com minha avó ja idosae nem sei até hoje se ela(falecida) tomou conhecimento desse problema. Fui trabalhar em casa de familia e minha patroa acabou decobrindo a falta de minha menstruação, me levou num posto de saúde da cidade pois, não tinha hospital, então fui examinada pelas enfermeirase uma médica , acho que inesperiente.Não me lembro o resultado, eu devia ter uns 17 anos. Depois disso em viagem para o Espirito Santo, essa mesma patroa aproveitando uma consulta sua, conversou com o medico ao meu respeito no qual ele passou um anticoncepcional para descer a menstruação, tomei esses antconcepcionais sem sucesso algum e sem ser examinado ou pelo menos ser aconselhada a procurar um médico. Nesse meio tempo eu evitava qualquer assunto de menstruação em rodinhas de conversa tipo( cólicas menstruais, idade da 1ª menstruação, atraso, etc...), eu me sentia um peixe fora d'agua. Quem sabia do meu problema além da minha patroa, eram só minhas irmãs.Passado tempo, acho que com meus 20 e poucos anos em outra casa de familia denovo fui descoberta por não usar absorvente. A irmã da minha patros trabalhava no hospital da policia militar e mais uma vez me consultou sem a minha presença, então segundo ela o médico disse que eu não precisava me preocupar,pois era normal, que ele conhecia outras pessoas assim, passou uns comprimidos não me recordo quais pra eu tomar, acho q eram hormônios. E assim continuei em silencio, mas ao mesmo tempo preocupada com o futuro, não por não ter filhos, mas de ter problema de cabeça pela falta da menstruação. Vi uma colega de faculdade desmaiar por esse problema e me sentia envergonhada, não me abria com ninguém. Com meus quase 40 anos procurei uma médica, quando relatei o fato, ela me olhou com uma cara incrédula que me deixou mais envergonhada ainda. Com essa idade? Voce é casada? é virgem? Sim, eu era virgem, mas não por não encontrar alguém e sim por medo, medo de fazer sexo e ter uma hemorragia, de acontecer algo pior, namorava só, quando ele(s) queriam algo mais eu pulava fora. Então ela me passou uma ultra vaginal que eu não fiz, ignorei, continuei na minha. Quando tive minha primeira relação sexual, senti muita dor, mas não teve sangramento nenhum. Já procurei na internet casos como o meu mas não achei, pois não sabia como procurar, eu ainda não sabia o que tinha. Hoje tenho 51 anos de idade, preocupada com a menopausa e suas causas( medo do sangue subir p/ cabeça), procurei um ginecologista e esse também admirado não pelo caso em si, mas pela idade e só agora tomar providencias, foi logo dizendo: Das duas uma, ou você não tem útero ou não tem ovário, mas me observando disse: ovário voce tem pois tem mamas, nasce pelos e outras coisas, então provavelmente seu utero seja infantil. Então partimos p/ os exames de preventivo( normal)ultravaginal, onde foi confirmado utero rudmentar, ele repetiu tantao essa palavra que acho que ela sairá mais da minha cabeça: rudimentar. Seu útero não é infantil, é mais do que isso, ele é rudmentat, bem pequenino, menor que de uma criança, você não vai poder ter filhos, se tivesse procurado a mais tempo, daria para reverter a situação e dar um jeito. Com a minha idade eu não estava preocupada com filhos, como ja disse antes a minha preocupação era com a menopausa e seus sintomas, se ela traria algum problema pra mim. saí do consultório aliviada com a resposta dele que não teris problemas, que a menopausa seria normal como as outras com calor e tudo, só não teria filhos.

    ResponderExcluir
  77. Anônimo6/05/2016

    e dar um jeito. Com a minha idade eu não estava preocupada com filhos, como ja disse antes a minha preocupação era com a menopausa e seus sintomas, se ela traria algum problema pra mim. saí do consultório aliviada com a resposta dele que não teris problemas, que a menopausa seria normal como as outras com calor e tudo, só não teria filhos. Fiz uma bateria de exames de sangue, fezes e urina que graças á Deus deu tudo certo, detectou que ja estou na menopausa e que tive uma pre diabetes e um pouquinho de anemia. Estando de bobeira na internet, resolvi então pesquisar sobre útero rudmentar e achei esse blog, li e percebi que não estou sozinha, que não sou estranha, diferente, e fiquei sabendo que é uma sídrome que o médico não me disse. Estou me sentindo leve em compartilhar com voces a minha historia, é como um desabafo que carrego comigo todos esses anos e poucas pessoas sabem disso. Parabéns pelo blog, nos ajuda muito e esclarece muitas coisas. Obrigada. Abraços. Mª do Carmo

    ResponderExcluir