"SÍNDROME DE ROKITANSKY (MRKH)"

Espaço para divulgação, informação e apoio às portadoras de "SÍNDROME DE ROKITANSKY".
A participação de profissionais de saúde e familiares também é muito bem vinda.
Vamos juntos debater o tema, esclarecer dúvidas e aprender para tornar a descoberta e aceitação da Síndrome menos dolorosa.

18 de abr de 2013

COM QUAL OLHAR VOCÊ SE OLHA? VOCÊ É MAIS DO QUE PENSA!

Hoje vim falar de um assunto que muito afeta Mulheres Rokitansky: AUTOESTIMA.

Não que eu seja expert no assunto, muito pelo contrário, como sofri ( e sofro) com isso. 

É bem comum nos sentirmos inferiores a outras mulheres, seja pelo fato de poder gerar ou por se sentir incapaz de dar ou sentir prazer.
Nos sentimos feias, incompletas, sem atrativos...
Até nos perguntamos : que homem se apaixonará por mim? 


No meu caso deixei de fazer tantas coisas, não fiz faculdade, nem ao menos tentei vestibular, não tirei carteira de motorista... É como se dentro de mim algo me dissesse: você não é capaz da maior responsabilidade feminina, não é capaz de gerar, portanto não se atreva a ter outras responsabilidades, você não é capaz.
Agora percebo o quanto fui tola, quanto tempo perdi, e como teria sido fundamental ajuda psicológica.
Me deixei ser manipulada por apenas um detalhe do que sou.

Participar do grupo com outras moça mudou muito meus pensamentos a respeito de mim mesma, quem dera ele existisse na época em que descobri.
Hoje vejo moças lindas, inteligentes, profissionais, independentes e penso: "eu deveria ter me permitido ser assim."
Mas... ainda tenho muito tempo, dá para recuperar muita coisa e dá pra fazer algo pra evitar que outras meninas sintam o mesmo.
Tudo que passamos, por mais que doa é experiência, e é válida quando compartilhada.
Estou em processos de mudanças: aprendendo me amar, descobrindo talentos que eu não acreditava ter. 


Ontem assisti um vídeo que achei extraordinário!


Ser severa demais com nós mesmas, exigir demais, ser crítica demais, não é exclusividade nossa.

Tantas mulheres se diminuem, se sujeitam por não acreditarem no quão grande ou tão linda são, seguindo infelizes por desejar serem de outra forma. 
Queriam ter outro cabelo, outros lábios, nariz mais fino, pele mais lisa...                                            ( Nós queríamos ter útero)

Mas será que o mundo nos enxerga com o mesmo olhar crítico?
Porque é tão difícil entender que um homem pode nos achar bem mais completas que outras mulheres?  Porque achamos que não temos nada a oferecer? 

(Vejo meninas que abrem mão da relação por não achar justo privar o marido da paternidade biológica)
O interessante é que os homens  que costumeiramente são taxados como insensíveis, enxergam toda nossa capacidade , todas as nossas possibilidades  que nós não reconhecemos  ter.

Quantas vezes no definimos de forma cruel por se sentir fora dos padrões. 

Sofremos uma batalha interna de nos aceitar como somos e de buscar a exigencia de que o outro nos aceite.

**Sentir-se bem como você é** Este é o verdadeiro desafio a ser vencido e tem que ser diário.


Segue o vídeo da bela e sensível campanha da Dove.


Que ele nos ajude a refletir sobre o quão valorosa somos.
E nos devolva o olhar de generosidade, amor e orgulho pra com a mulher que nos habita.



“Uma pessoa não é um nariz grande ou um cabelo ressecado. Ela é o conjunto de atributos que se somam ao brilho, muitas vezes escondido, de um olhar.”    (Heloisa Lima - psicóloga)

 ***
OBS: LEIAM TAMBÉM OS COMENTÁRIOS, ELES NOS ENRIQUECEM - AGRADEÇO A CONTRIBUIÇÃO DE MINHAS AMIGAS. PALAVRAS LINDAS!                                        ADORARIAMOS RECEBER TBM O SEU COMENTÁRIO, LEMBRANDO QUE VC PODE POSTAR COMO ANÔNIMA.

9 comentários:

  1. Anônimo4/18/2013

    Márcia, me vi muito no seu texto... Lembro-me de fatos tão tristes pelos quais passei e dou graças a Deus por aqueles sentimentos não fazerem mais parte da minha vida, que começou a se modificar qdo comecei a namorar o meu marido e contei para ele sobre a ausência do útero (na época nem sabia que se tratava da sd). Tinha certeza de que ele terminaria tudo. Qual foi a minha surpresa quando ele me abraçou e me disse que o nosso amor é muito maior para superar tudo o que eu havia falado? Essa foi a minha primeira grande mudança de olhar sobre a vida! Depois, conheci vc através do blog das doenças raras, outra grande mudança, pois senti que Deus me escutou, quando O pedi para conhecer outras mulheres que passavam pelo mesmo que eu. Eu estava recém casada, vc não imagina como me fez bem, principalmente porque viriam cobranças de filhos e eu "sozinha" estaria muito, muito fragilizada para lidar com isso. Terceira grande mudança, João Felipe. Mas voltando sobre o seu texto e o vídeo, lembro-me que me sentia muito diminuída comparada a outras mulheres, faltava um pedaço que era essencial para a minha felicidade, pensava eu... Uma dor horrível pulsava no meu peito e chegava até a garganta. A vida era amarga demais. E eu me sentia incompetente para qualquer coisa; como vc disse um apoio psicológico é fundamental. Contudo, acontecia algo que muito tem a ver com o vídeo - a imagem que eu fazia de mim mentalmente era de uma pessoa muito pequena e incapaz, mas vez ou outra em que eu parava e me olhava no espelho, a imagem refletida não era de quem eu imaginava ser. Parecia outra pessoa, além de mim. Um mulher forte estava me olhando, não era definitivamente assim que eu me sentia. Mas era eu mesma. Eu, na verdade, não sabia quem eu realmente era, das minhas capacidades e possibilidades. Da alavancada que eu daria no futuro, mudando todo o meu destino triste. É isso. Somos muito mais do que pensamos ser. Um útero é só um útero. Somos coração, cérebro, boca, ouvidos, olhos... Possuímos tudo o que é necessário para uma vida realizada, plena. Basta o primeiro passo. Se ainda não for possível, que pensemos como será dado esse primeiro passo. A partir dele virá tanta coisa, que aquela dor será só uma lembrança de como ela nos possibilitou para sermos tão fortes, tão bravas, tão mulheres. Beijos, Virgínia

    ResponderExcluir
  2. É exatamente isso, nos sentimos inferiores quando na verdade somos tão capazes quanto qualquer mulher por aí.... eu as vezes me questiono o que seria pior: nascer sem útero ou tê-lo e da mesma maneira não poder ter filhos? Tem muitas mulheres sadias por ai que tem problemas para terem filhos.
    Mas a questão é que não podemos nos privar de coisas por esse motivo. A síndrome tem que se encarada como um detalhe, é difícil, é. Mas não impossível.
    Comigo as coisas foram acontecendo a partir do momento que eu decidi enxergá-la com outros olhos. Antes se algo dava errado era culpa da síndrome, e podia ser qualquer coisa que desse errado, até se não tivesse nada a ver com o fato de eu ter ou não útero, até porque isso quem sabe mesmo sou eu e pouquíssimas pessoas ao meu redor. Então era meio "sem noção" esse pensamento.
    A ajuda psicológica é essencial. Eu fugia de relacionamentos pelo fato de um dia eu ter que contar pro parceiro e ele me largar. Só via os defeitos nos rapazes porque isso seria motivo pra eu não ir adiante. Foi com a terapia que eu resolvi dar essa chance de conhecer alguém e ser conhecida, e por sorte eu dei sorte hehehehehe
    Fui também surpreendida pela naturalidade com que ele teve diante da minha situação, o que foi pra mim uma surpresa. Não esperava. Tanto que ele me disse que conhecia várias mulheres que também não podiam ter filhos.
    Então o que digo a vocês é que sim, somos capazes e merecedoras de tudo que há de melhor nessa vida!
    Uma profissão, uma CNH hehehehehe, um emprego, um amor, uma família.... e tudo aquilo que é um sonho e pode sim se tornar realidade!
    Se privar das coisas acontecerem na nossa (sua) vida é um castigo muito grande, o qual não somos merecedoras.
    O mundo está ai e nos espera!
    Se permita e seja feliz! Dê o primeiro passo.
    Você é muito mais do que se imagina!

    ResponderExcluir
  3. No meu caso,é mais por me sentir feia e sem atrativos....

    ResponderExcluir
  4. Sol, acredite também me sentia assim.
    Sempre tive tamanho e corpo incompatível com minha idade. Sempre fui a manorzinha, a magricelinha com espinhas. Mesmo hoje aos 38 anos não tenho corpo desenvolvido ( creio que nada a ver com a Sd.)
    Mas sabe aquela coisa de dizerem que o amor é cego? É porque amor não enxerga tamanho, corpo,cabelo... Amor sente alma, cumplicidade, bom humor,companhia agradável...
    Aparência pode a primeira vista ser atraente, mas nenhum relacionamento sobrevive disso.
    E te garanto que um sorriso sincero, um olhar iluminado é bem mais sensual que qualquer par de coxa ( rs).
    Nosso corpo reflete muito do que se passa dentro da gente. Beleza vem de dentro pra fora.
    Então vamos cuidar desse coração? Vamos preenchê-lo de alegria e esperança?
    E se ainda assim achar que precisa de um "UP", vamos lá mudar o corte do cabelo, quem sabe mudar a cor , o estilo de se vestir... Isso costuma nos reavivar.
    ... Vc assistiu ao vídeo?
    Lembre-se que você é mais bonita do que pensa.
    E o mundo que cobra perfeição é o mundo da futilidade. E o que realmente vale a pena, pertence a outro mundo: o de pessoas reais.
    BJK

    ResponderExcluir
  5. Anônimo4/30/2013

    Lindo texto,
    Mas infelizmente ainda não consigo me abrir com minhas amigas, sei que elas vão ficar do meu lado, mas tenho certeza que não tenho estrutura pra expor minhas feridas...

    ResponderExcluir
  6. Querida amiga anônima, sei o quanto é difícil e doloroso falar a respeito. Em outro post falamos que primeiramente é necessário conseguir contar e prá nós mesmas. Entender , assimilar, encarar a real condição. 2º passo é ver o lado positivo ( acredite , existe) , poderia ser pior, mais complicado.
    Temos opções!! Seja de tratamento ou de maternidade.
    É horroroso ouvir um "Não" da vida, mas é preciso se abrir e ouvir os " SIM's"
    Falar com outros alivia e liberta. Que tal conversar com mulheres que te entendem e que compartilham do mesmo ? Entre em contato por e-mail que te explico melhor. BJK
    BJK

    ResponderExcluir
  7. Anônimo6/04/2013

    Garotas,

    Eu também nasci com essa síndrome, (no meu caso chegou-se a formar o colo do útero, mas não ele todo). Descobri com 14 anos, e naquela época foi meio que assustador, pq era uma realidade distante, que eu não sabia como lidar, e não fiquei tão triste por ter descoberto isso, eu fiquei triste por meus pais e familiares ficarem tristes.
    Quando contei para o meu atual marido (na época noivo) que não poderia ter filhos, ele me disse que tudo bem, normal;
    E é normal sim, quantas mulheres não podem ter filhos? Eu levanto da cama todos os dias e agradeço a Deus por ter visão audição poder falar, caminhar, correr... Pq meu único problema é não poder gerar uma criança, isso não me impede de ser mãe!
    E esse é o meu sonho. Por isso mesmo este ano eu e meu marido entramos com um processo para entrar na fila de adoção e receber um bebezinho que vamos amar mais que tudo nesse mundo.
    A mensagem que eu quero deixar aqui é que todo mundo tem problemas, ninguém é perfeito, então não use suma síndrome como desculpa para seus fracassos. O sucesso e a felicidade partem da nossa busca e da nossa ação!

    ResponderExcluir
  8. AMIGA ANÔNIMA VC ESTÁ CERTINHA! SER MÃE NOS É TOTALMENTE POSSÍVEL! E ISSO INDEPENDE DE PODER GERAR OU NÃO.
    E NÃO PODER GERAR NÃO É UMA EXCLUSIVIDADE NOSSA, A DIFERENÇA É JÁ TEMOS A CONSCIÊNCIA DA IMPOSSIBILIDADE. OUTRAS MULHERES ( OU HOMENS) DESCOBREM MAIS TARDE DEPOIS DE PASSAREM MUITO TEMPO ACREDITANDO QUE SERIA POSSÍVEL A HORA QUE DESEJASSEM.
    EU SOU MÃE ADOTIVA E AMO MEU FILHO PROFUNDAMENTE É UMA BENÇÃO EM MINHA VIDA..
    QUE DEUS ABRA OS CAMINHOS PARA QUE SEU PRESENTE CHEGUE LOGO E ENCHA A FAMÍLIA DE ALEGRIA. BJ

    ResponderExcluir
  9. Anônimo5/08/2016

    Bem a todo momento eu me escondo, não revelo para os meus parceiros o que realmente tenho aliás escondo de mim mesmó. Muitas pessoas pensam que sou lésbica mas não sou. Tudo que eu queria era poder levar uma vida conjugal bacana e estaria mentindo se dissesse que não queria ter filhos esse é o meu maior sonho bjo

    ResponderExcluir